quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

DE VOLTA AO COMEÇO no projeto Teatro para piás e gurias - Dia 03 de Março no Teatro josé Maria Santos


O espetáculo infantil DE VOLTA AO COMEÇO, dirigido por Paulo
Vinícius, se apresenta no próximo dia 03 de Março, dentro do projeto Teatro
Para Piás e Gurias do Centro Cultural Teatro Guaíra. O espetáculo é uma
produção da FIGURINO E CENA, e foi especialmente convidado para abrir a
temporada do projeto no teatro José Maria Santos, neste ano de 2013.
No ano de 2012, o espetáculo recebeu o Prêmio Gralha Azul de Melhor
Figurino do ano e foi indicado em mais três categorias: Melhor Espetáculo
Infantil, Melhor Direção de espetáculo infantil (para Paulo Vinícius) e Melhor
Composição Musical (para Luiz Sadaiti).
O Projeto Teatro para Piás e Gurias foi criado pelo Teatro
Guaíra com a intenção de oferecer oportunidade ao público infantil de assistir
espetáculos de boa qualidade, todos os domingos. A iniciativa, além de
despertar o interesse das crianças pelo teatro, promove e estimula o trabalho
das companhias de teatro infantil. Os grupos artísticos que participam do
Projeto são escolhidos por uma consultoria composta pelo Teatro Guaíra,
Associação Paranaense de Teatro de Bonecos e Associação de Teatro e
Juventude. Os espetáculos acontecem todos os domingos às 11 horas.



DE VOLTA AO COMEÇO é um espetáculo infantil de 45 minutos que
mistura teatro, dança, musical e vídeos. As histórias são costuradas pela
encenação, com a presença dos atores que, diante do público, revelam o jogo
da representação, se revezando em personagens adultos e infantis.
Personagens são apresentados nas camadas mais internas das suas
subjetividades. Falam de segredos e de sentimentos. Compartilham suas
relações de afetividade, falam da saudade e da felicidade. A morte é tratada de
uma forma muito carinhosa, porém natural, exatamente como foi a vida que a
antecipou.
A peça também deixa algumas lacunas a serem completadas na
relação com a plateia. As crianças, espontaneamente, se manifestam, pois se
relacionam com as músicas e com o movimento dos corpos dos atores.

Maiores informações sobre o espetáculo podem ser obtidas no nosso
blog http://omundogiraaosteuspes.blogspot.com.br/

Ficha Técnica:

Roteiro, Direção e Figurinos: Paulo Vinícius
Direção Musical: Junior Pereira
Composição Musical / Trilha sonora: Luiz Sadaiti
Iluminação: Wagner Corrêa
Coreografias: Michelle Rodrigues
Maquiagem: Luiz Lopes
Fotos: Chico Nogueira
Designer gráfico: Johnny Leal
Realização e Produção: Figurino e Cena Produções Artísticas

"Crescer não é perigoso", de Januária Cristina Alves


O livro tem o foco no público infantojuvenil, e conta a história de três amigas que acabaram de se conhecer: Maria da Graça, Maria Joana e Maria do Socorro. A história se passa em um internato em Pernambuco, para onde as garotas são enviadas para participar de um curso de inglês. Com personalides e jeitos diferentes, as meninas vão se meter em muitas confusões, ao mesmo tempo que aprendem que crescer, de fato, não é perigoso.


CLIQUE PARA AMPLIAR

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Infantil – Gratuito no CCBB “A Rainha Procura...” Nos dias 2, 16 e 23 de março, com a trupe do Jogando no Quintal


Infantil – Gratuito no CCBB

“A Rainha Procura...”

Nos dias 2, 16 e 23 de março,

a famosa trupe do Jogando no Quintal

apresenta um trabalho inédito

de Improvisação Teatral para adultos e crianças








A convite do Centro Cultural Banco do Brasil

a Cia. do Quintal organizou

uma mostra de espetáculos que misturam

Música, Magia, Contação de Histórias,

Improvisação Teatral e muita

Palhaçada para toda a família.



Nos dias 2, 16 e 23 de março a famosa trupe do

Jogando no Quintal apresenta

um trabalho inédito de Improvisação

Teatral para adultos e crianças.

Nesta nova produção uma rainha pra lá de exigente procura desesperadamente

alguém para ocupar o cargo de bobo da corte, em seu palácio.

Ela terá a difícil tarefa de eleger o novo bobo em meio aos candidatos

que surgem, propondo difíceis tarefas para serem executadas pelos candidatos.

E é claro que a ajuda das crianças será fundamental para que a

rainha possa escolher o bobo ideal.  Com a Cia. do Quintal.





Serviço:

“A Rainha Procura...”

com a Cia do Quintal

Data: 2, 16 e 23 de março

Horário: Sábados, às 16h

Classificação: livre

Duração: 50 minutos

Grátis

40 lugares

Centro Cultural Banco do Brasil

Auditório

Rua Álvares Penteado, 112 - Sé

Telefone: (0xx)11 3113-3651

Infantil – Gratuito no CCBB Que História é Essa? com as palhaças Emily e Manela



Infantil – Gratuito no CCBB

Que História é Essa?

com as palhaças Emily e Manela

dia 24 de fevereiro,  às 16h







A convite do Centro Cultural Banco do Brasil a Cia. do Quintal organiza

uma mostra de espetáculos que misturam Música, Magia, Contação de Histórias,

Improvisação Teatral e muita Palhaçada para toda a família.



No dia 24 de fevereiro as palhaças Emily e Manela apresentam um espetáculo

criado a partir de contos e histórias do mundo. A comicidade, a relação com o público,

o brincar de ser e contar e a música tocada ao vivo pela dupla - que utiliza violino,

violão e flauta doce - são elementos que fazem de Que história é essa uma grande

diversão para as crianças e seus pais. Com Paola Musatti e Vera Abbud.



Serviço:

Que História é Essa?

Com Vera Abud e Paola Musatti

Data: 24 de fevereiro de 2013

Horário: Domingo às 16h

Classificação: livre

Duração: 50 minutos

Grátis

40 lugares

Centro Cultural Banco do Brasil

Auditório

Rua Álvares Penteado, 112 - Sé

Telefone: (0xx)11 3113-3651

domingo, 17 de fevereiro de 2013

A Bailarina Fantasma de Socorro Acioli





A Bailarina Fantasma  

de Socorro Acioli

    14x21 cm.
    184 páginas
    4x2

 
         
      O Theatro José de Alencar é um lugar mágico. Foi construído em 1908 e graças aos cuidados que tem recebido, ainda conserva a mesma beleza e encanto do dia de sua inauguração . Parece inacreditável que seja possível sentar nas mesmas cadeiras em que tantas pessoas estiveram há cem anos, quando a cidade recebeu de presente essa jóia de arquitetura.

Até hoje a empresa escocesa MacFarlane & CO, que forneceu o ferro para estrutura da sala de espetáculos, indica o Theatro José de Alencar como uma de suas obras mais bonitas, dentre tantas espalhadas pelo mundo. Além do material vindo da Escócia, a beleza desse teatro também conta com a obra de artistas plásticos, arquitetos e engenheiros brasileiros.

Parece que os fantasmas gostam de teatros antigos. Com esse não é diferente. Há anos os funcionários e artistas que frequentam essa casa relatam histórias sobre uma bailarina jovem, bonita, quase transparente, que dança no palco pela madrugada, passeia pelos corredores e tenta fazer contato com alguém que não tenha medo do seu hálito gelado. A bailarina fantasma tem algo a dizer e uma história para contar. Sua vida se confunde com a vida dessa casa centenária. Só alguém com muita coragem será capaz de ouvir.

   
         
      Socorro Acioli nasceu em 1975 em Fortaleza, é jornalista, escritora e mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Ceará. Já recebeu o Prêmio de Melhor Obra Infantil da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará, o Selo Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.

   
          
       
APRESENTAÇÃO DO LIVRO PARA ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR:


A bailarina fantasma é um romance juvenil, que conta a história de uma moça de outro mundo que aparece no Theatro José de Alencar, o mais antigo de Fortaleza, assustando funcionários, artistas e o público que assiste aos espetáculos. Nos anos 90, o teatro passa por uma grande reforma. A filha do arquiteto responsável pelos trabalhos, Anabela, tem um encontro inevitável com a bailarina.

Depois de muito medo e resistência, Anabela decide escutar o que o fantasma tem a dizer. Para seu espanto, a moça transparente pede a Anabela um favor, ajudando a resolver um assunto muito grave que ela não pode concluir em vida. O texto foi concebido pela autora a partir de uma lenda urbana da cidade de Fortaleza. Durante quatro anos a escritora entrevistou pessoas ligadas ao teatro, que contaram histórias sobre as aparições da bailarina. A partir dos depoimentos, ela escreveu o romance.

1º passo: DESPERTANDO A CURIOSIDADE DOS ALUNOS

Apresente o livro aos alunos, mostrando a capa, o título e o nome da autora. Pergunte o que eles esperam dessa história, o que imaginam que possa surgir nas páginas de um livro que anuncia a existência de uma bailarina fantasma. Pergunte o que esse título desperta na memória de cada um. Pergunte a eles se já leram livros sobre fantasmas. Peça que relembrem os fantasmas famosos da literatura e do cinema.

Estimule a turma a contar suas histórias pessoais, sobre o assunto, escrevendo um pequeno texto a ser lido para o grupo.

• Solicite aos alunos que assistam ao book trailer do livro, disponível no YouTube no endereço //http://www.youtube.com/watch?v=wyQ49-KCwJQ//. Por fim, apresente o livro, contando o resumo da história. É muito importante que você já tenha lido a obra antes de começar o trabalho com a turma. É a partir da sua relação com aquele texto que o interesse de fato vai acontecer.

2º passo: DIÁRIO DE LEITURA

Marque uma data para o início e término da leitura. Sugira aos alunos que criem um Diário de Leitura, algo livre e muito pessoal. Pode ser um caderno pequeno, uma caderneta ou uma parte do caderno grande só para isso. Nesse diário, o aluno deve anotar o seu percurso de leitura de forma espontânea. É interessante sugerir uma breve orientação, a seguir:

Anotar no Diário de Leitura a data de início, as impressões sobre o texto a partir do título e do projeto gráfico e a opinião sobre histórias de fantasmas.

Listar os personagens, escrever o nome de cada um e registrar sua opinião breve sobre eles. Quem é chato, quem é interessante, quem é bobo, quem é esperto? Algum deles parece com alguém que você conhece?

Anotar as emoções que o livro despertou: medo, suspense, indignação, raiva, enternecimento, tristeza, alegria, alívio.

3º passo: LEITURA E MERGULHO NO TEXTO

Na data marcada para o término da leitura será o dia da “Conversa sobre a bailarina fantasma”. Nesse momento a turma vai se reunir para conversar sobre o livro.

É interessante que o professor prepare um roteiro para organizar a conversa, seguindo a ordem dos capítulos. O Diário de Leitura de cada aluno servirá como base para a participação. Explore os quatro aspectos principais da estrutura de um romance: Enredo, Espaço, Tempo e Personagens. Sobre o enredo, pergunte o que acharam da história. É convincente? Poderia ser real? É trágica, romântica? Lembra algo da sua própria experiência? Sobre o espaço, solicite aos alunos uma breve pesquisa sobre o Theatro José de Alencar e a cidade de Fortaleza e sobre Glasgow, na Escócia. A respeito do tempo, é interessante explorar o fato de que o romance se passa em dois tempos distintos e intercalados.

A história começa no presente, volta ao passado e depois retorna ao presente para sua conclusão. Pergunte aos alunos como seria esse texto se tudo fosse contado de forma linear, do começo ao fim, sem nenhum salto no tempo. Ficaria mais ou menos interessante? Sobre os personagens, há muito o que explorar. Anote no quadro a lista com todos os nomes.

Peça aos alunos que os organize em grupos, de acordo com sua família ou lugar na trama, fazendo um esquema com círculos. Peça que cada um eleja o seu personagem preferido e a seguir, o mais chato. Divida a turma em dois grupos. Um terá que defender o casal de protagonistas, Clara e Gabriel. O outro grupo defenderá o Dr. Augusto Arruda. O objetivo do debate é encontrar uma solução para que as duas partes saiam satisfeitas da negociação.

A partir de uma votação, escolham a melhor cena do romance, para que seja dramatizada em sala, de forma livre.

4º passo: MERGULHANDO UM POUCO MAIS

Apresentaremos, a seguir, algumas sugestões para um trabalho escrito sobre o livro. O professor pode lançar as ideias e pedir que cada um escolha a que gostaria de fazer:

SE EU FOSSE...

Nesse trabalho cada aluno se coloca na pele de um dos personagens e narra o que faria dentro da trama, como agiria diferente, como resolveria os conflitos e lidaria com os outros personagens.

ONDE EU ESTOU NESSE LIVRO?

A proposta é fazer com que o aluno escreva sobre a sua relação com o texto. Ele já passou por alguma situação semelhante (ver fantasmas, viver um amor proibido, receber um pedido de um favor difícil de fazer)?

Em que aspectos o texto tocou experiências da sua vida? Gostaria de estabelecer contato com alguém que já partiu? O que acha da relação de Anabela com a morte?

MEU FANTASMA PESSOAL

A ideia é sugerir que o aluno também crie uma história de fantasma, alguém que venha do outro lado para lhe ajudar, contar algo, dar um recado. Que fantasma você gostaria de ver, de conhecer e até de conviver? Pode ser alguém famoso, ou da familia. Ou até um personagem totalmente ficcional.

CAÇADORES DE LENDAS URBANAS

O livro “A bailarina fantasma” foi escrito a partir de uma lenda do Theatro José de Alencar de Fortaleza. Sugira aos alunos que procurem na internet informações sobre a autora e seu processo de pesquisa e criação. Depois proponha que eles façam a mesma coisa em suas cidades, procurando saber histórias de lendas que falem de fantasmas e casos misteriosos. Estimule os alunos a criar uma história a partir do que conseguirem coletar em entrevistas e pesquisas pela cidade, criando um conto de autoria própria.

5º passo: CAMPANHA “EMPRESTE O SEU FANTASMA”

Depois da leitura e dos trabalhos a partir do texto, peça aos alunos que emprestem o livro para alguém da família ou amigo, à sua escolha. Marque um prazo – mais livre – para que aconteça um outro encontro da turma. Peça aos alunos que entrevistem a pessoa que leu o livro. No dia do encontro final, cada um deve relatar as impressões do seu leitor escolhido. Quanto mais diversificadas as idades dos leitores, melhor.

Se houver a possibilidade de convidar alguns para o encontro em sala, será perfeito. Ao final, peça a cada um que escolha uma única palavra para definir a experiência que viveu com o texto.



um lançamento

   

domingo, 3 de fevereiro de 2013

A Vida sem Graça de Charllynho Peruca de Gustavo Piqueira



A Vida sem Graça de Charllynho Peruca    

     

de Gustavo Piqueira


    16x23 cm.
    120 páginas
    4x2
   
     Volta e meia a Biruta me surpreende, me deixa biruta de verdade. Quando acho que já vi de tudo   com  no universo infanto juvenil, záz, eles trombam minha caixa postal, quase derrubam a samambaia, enchem de areia minha porta e me fazem feliz, Estou feliz com a capa , digamos naife, com as fotos de uma São Paulo que tanto quero, amo e odeio. Com o machucado mas vivo Centrão Velho , revi os passos de gente grande e moleques. Tive de me lembrar de uns caras que zanzaram alí, e que rapinho já se foram. Descuti com o Plinio Marcos, irritei o Marcos Rey, e até me indispus com o Belmonte. E tudo por culpa de quem? Desse cara de vida sem graça chamado Charllynho Peruca que o genial Gustavo Piqueira me apresentou. (E.C.)


          
           
O LIVRO

O título A vida sem graça de Charllynho Peruca já diz: a vida dele é sem graça mesmo.

Mas, por trás de uma aparente monotonia nas andanças do menino que entrega sanduíches da lanchonete do pai, surge um relato sensível das esperanças, sonhos e trapalhadas do jovem Charllys.

Bem que este livro também poderia se chamar São Paulo, a cidade sem graça. Porque, ao contrário do que acontece geralmente, seu centro histórico é apresentado sem enquadramentos favoráveis, que revelam tesouros escondidos.

Também não explora ângulos apelativos, “denunciando” suas mazelas.

Não, Não. Seu roteiro é mais sutil e humano. Nada de itinerários pitorescos, nada de turismo. Nada de óculos 3D, microscópios ou cenografia. Aqui, tanto São Paulo quanto Charllynho só podem ser enxergados pela medida dos nossos olhos.

Agora pense bem: existe modo melhor para se ver de verdade alguma coisa, seja ela a geografia de uma cidade ou a paisagem sentimental de menino?
   
O AUTOR
Gustavo Piqueira
dirige a Casa Rex (www.casarex.com \http://www.casarex.com//), casa de design com bases e São Paulo e Londres e é o designer com mais trabalhos selecionados na história da Bienal ADG de Design Gráfico (48) além de ter recebido dois prêmios Jabuti e diversos prêmios internacionais de design.

Gustavo também já publicou 10 livros entre eles os fictícios como "Marlon Brando - Vida e Obra" (Martins Fontes, 2008) e "Manual do Paulistano Moderno e Descolado" (Martins Fontes, 2007), e os infanto-juvenis "A Vida sem Graça de Charllynho Peruca" (Biruta, 2009) e "Eu e os Outros Pioneiros da Aviação" (Escala Educacional, 2007), ambos selecionados para o PNBE 2010.

Entre 2000 e 2004 foi diretor da Associação dos Designers Gráficos do Brasil e entre 2000 e 2005 deu aulas na Faculdade Senac. Também desenha alfabetos e ilustra livros infantis.




um lançamento