terça-feira, 30 de outubro de 2012

Editora Gaivota - O Menino e o Grifo, Luiz Antonio Aguiar


clique para ampliar

sábado, 27 de outubro de 2012

Cultura de Arnaldo Antunes


Cultura

de Arnaldo Antunes

Ilustrações de Thiago Lopes
No de Paginas: 48



Não se tem muito o que falar. Cultura é um dos melhores lançmentos de infanto juvenil do ano!
( E.C.)


Cultura estimula a aprendizagem visual. Sem radicalizar, Arnaldo Antunes interpreta e transforma palavras e rearranja significados.

Nas ilustrações de Thiago Lopes que interpretam o poema há cores e formas insinuando o que as palavras não dizem.








LANÇAMENTO

O Avião dos Sonhos de Heinz Janisch


O Avião dos Sonhos                

   de Heinz Janisch

   com Søren Jessen

    20x28 cm.
    32 páginas
    4x4
 

           
           
           
           
           
           
      O LIVRO    
      Samuel e eu passamos nossas tardes sentados em um banco. Não parece muito emocionante, mas é, posso garantir.

Você costuma encontrar por aí piratas, baleias voadoras ou lesmas-turbo? Nós encontramos todos os dias!

     O AUTOR
         
      Heinz Janisch nasceu em 1960 na Áustria. Publicou muitos livros tanto para crianças quanto para jovens que já foram traduzidos para mais de 12 países, inclusive para o Brasil. Recebeu diversos prêmios como:

Prêmio Poesia para crianças - Áustria, Austrian.

   
           O ILUSTRADOR
      Nasceu em Sonderborg, Dinamarca, em 1963. Em 1990 publicou seu primeiro titulo, um livro infantil chamado Dino rejser til byen. A partir dai recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais – Itália, Áustria, Estados Unidos – como autor e ilustrador. Suas obras foram publicadas em vários paises, como Espanha, Coreia e China.



A Fome do Lobo de Cláudia Maria de Vasconcellos


A Fome do Lobo

de Cláudia Maria de Vasconcellos

Ilustrações de Odilon Moraes


O lobo é um bicho que impõe respeito. Um lobo faminto então, nem se fale. A fome do lobo é a história de um lobo que acordou com fome, com muita fome, e saiu pela floresta decidido a comer o primeiro que cruzasse o seu caminho. Mas esta fera só não podia imaginar que fazer uma simples refeição seria tão complicado.

Porque no seu caminho encontrou bichos espertos que, com um pouco de lábia, conseguiram tapeá-lo. Assim, A fome do lobo é um conto que tem inspiração em histórias antigas como Os três porquinhos, histórias que mostram os mais fracos argutamente enganarem e vencerem o vilão, mas vai além. Pois essa aqui é uma história de conciliação: ao fim e ao cabo, o que dissolve a tensão e encerra tudo num grand finale não é a astúcia, mas a bondade. Imagine que este lobo faminto - e cada vez mais feroz -, de tanto caminhar, chegue à sua casa, e entre na sua sala. O que você faria?

O que faria a sua família? A avó da narradora de A fome do lobo tem uma sacada incrível, mas para conhecê-la é preciso que você leia essa história.
LANÇAMENTO





sábado, 20 de outubro de 2012

“O BARBEIRO DE ERVILHA” APRESENTA ÓPERA DE ROSSINI E CULTURA NORDESTINA NO PALCO DA CAIXA CULTURAL CURITIBA




As artimanhas de Fígaro ganham um tom bem brasileiro em adaptação do clássico italiano

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o espetáculo “O Barbeiro de Ervilha”, dias 27 e 28 de outubro. A comédia musical para crianças é uma adaptação da ópera “Il Barbiere di Siviglia”, de Gioacchino Rossini, com libreto de Cesare Sterbini, baseado na comédia homônima de Pierre Caron de Beaumarchais.
As aventuras de Fígaro, o protagonista, se desenrolam em um novo cenário: o sertão, onde as personagens ganham feições do povo nordestino. A montagem, que mescla música erudita e popular, associa arranjos das mais conhecidas árias, duetos e coros da ópera de Rossini com os ritmos da música popular nordestina. Os números são tocados e cantados ao vivo pelos próprios atores ao som de sanfona, rabeca, viola, violão, flauta transversa e outros instrumentos. A montagem, vencedora do Prêmio Zilka Salaberry de Teatro Infantil 2010 na categoria melhor música, conta com a direção de Daniel Herz e tem classificação livre.

O texto da peça também é o fio condutor de uma oficina, ministrada pelo diretor Daniel Herz no sábado (27). Com duração de 2 horas, o encontro vai apresentar os tipos tradicionais da Commédia’Dell Arte italiana – um estilo de teatro popular, improvisado, criado no século XV em oposição ao chamado teatro “erudito”. A proposta é um convite às crianças e jovens entre 10 e 14 anos a ampliar o seu universo cultural e da sua visão de mundo. As inscrições são gratuitas e devem ser encaminhadas até o dia 23 de outubro para o e-mail caixacultural08.pr@caixa.gov.br. Vagas limitadas.


Serviço:
O Barbeiro de Ervilha
Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280, Curitiba (PR)
Data: 27 e 28 de outubro
Hora: Sábado 18h e domingo 15h e 18h
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)
Oficina: dia 27 de outubro, das 14h às 16h, para crianças e jovens dos 10 aos 14 anos. Inscrições gratuitas e limitadas pelo email caixacultural08.pr@caixa.gov.br até dia 23 de outubro
Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta-feira das 12h às 20h, sábado das 16h às 20h e domingo das 16h às 19h)
Classificação etária: Livre para todos os públicos
Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Os Morcegos de Neide Simões de Mattos e Suzana Facchini Granato com Rubens Matuck





Os Morcegos        

   de Neide Simões de Mattos e Suzana Facchini Granato

   com Rubens Matuck

    20x26cm
    48 páginas
    4x4

   
           
           
           
           
           
           
         
      O que você sabe sobre morcegos?
Imagina criaturas assustadoras alimentando-se de sangue?

Bichos de ponta-cabeça em uma caverna sombria?

Esses animais estão em nosso imaginário e guardam muitos segredos. Neste livro você irá além da imaginação e conehcerá todos eles.

Onde vivem, como se reproduzem, o que comem, as diferentes espécies... e muito mais!



   
           OS AUTORES
      As biólogas Suzana Facchini Granato e Neide Simões de Mattos, formadas pela Universidade de São Paulo (USP), são educadoras experientes e também se dedicam a escrever obras didáticas e paradidáticas com o objetivo de despertar nos leitores o mesmo carinho e o prazer de observar a natureza.
   com     
      Rubens Matuck é artista plástico, escultor, escritor e faz desenho gráfico. É autor de mais de trinta livros infantis e em quinze deles cuidou não só das ilustrações como também do texto.

A fauna e a flora brasileira são os temas destes livros. Publicou pela Editora Biruta os títulos da Série Natureza Brasileira sobre animais em extinção e sobre as regiões do país. O Lobo-guará, A Baleia-corcunda, O Beija-flor-de-topete e A Ararajuba receberam o Prêmio Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) em 2004. Sobre as regiões brasileiras foram publicados cinco títulos pela Editora Biruta: A Caatinga, O Pantanal, A Amazônia, O Cerrado e A Mata Atlântica.

Rubens Matuck recebeu prêmios como o Jabuti de Melhor Ilustração de Livro Infantil em 1993 e o Salon du Livre de Jeunesse (Paris, 1992).

um lançamento



EXPOSIÇÃO OS QUADRINHOS RUSSOS


clique para ampliar

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

“Fios de prata: reconstruindo Sandman”, Raphael Draccon




“Fios de prata: reconstruindo Sandman”

de  Raphael Draccon

354 paginas



Fios de prata: reconstruindo Sandman (Raphael Draccon – Editora Leya) – Com uma linguagem bastante ágil, o autor conta a história de Mikael Santiago, que realizou o sonho de milhares de garotos. Aos 22 anos era o jogador brasileiro com o passe mais caro da história do futebol. Para muitos ele era um mito. Mas, enquanto dormia, seus sonhos o amedrontavam por questões sobrenaturais.


“Tu inspiraste Rowling, e foi nas terras de Morpheus que se moldou Hogwarts. Tu inspiraste Tolkien, e foi nas terras de Phantasos que se anexaram as extensões de Terra-Média. Tu inspiraste Lovecraft e em minhas terras se fixou Miskatonic. EntNão eu te pergunto com sinceridade, anjo: até onde vai tua vontade de ser coadjuvante em um mundo de formas e pensamentos?”

Há séculos, Madelein, atual madrinha das nove filhas de Zeus elevadas à categoria de Musas, tornou-se senhora de um condado no Sonhar, responsável por estimular os sonhos despertos dos mortais. Uma jogada ambiciosa, porém, para ascender de posição, acaba por iniciar uma guerra épica envolvendo os três deuses Morpheus, Phantasos e Phobetor, trazendo desordem a todo o planeta Terra.

Envolvido em sonhos lúcidos e viagens astrais perigosas, a busca de um sonhador pelo espírito de sua mulher no Inferno, entretanto, torna-se peça fundamental para resgatar elementos destruídos em uma guerra envolvendo manipulações oníricas, sonhos partidos, jornadas espirituais e o destino de mais de sete bilhões de sonhadores terrestres.

De Dante Alighieri a Alan Moore, de William Shakespeare a Neil Gaiman, Fios de Prata – Reconstruindo Sandman elabora uma epopeia moderna ao redor de uma declaração de amor à literatura fantástica e ao melhor dos sonhos humanos.
A Trama

O livro envolve a trama de um homem disposto a ir ao Inferno em busca do amor de uma mulher, ao redor de uma guerra de deuses, envolvendo sete bilhões de sonhadores terrestres.

Mikael Santiago, o Allejo, é o maior jogador de futebol do mundo, com uma habilidade considerada quase sobrenatural. Um fato constante, porém, faz com que suas noites de sono não sejam todas iguais: há 18 meses ele sofre diariamente de sonhos lúcidos em pesadelos intermináveis.

E Mikael não sabe, mas sua alma fora escolhida como a principal peça em um quebra-cabeça envolvendo uma disputa onírica em meio a intrigas, traições e conflitos de entidades extremamente soturnas e poderosas.
A Capa

A ilustração da capa foi feita por Kentaro Kanamoto, também artista da capa de “Ruas Estranhas“, e responsável pela criação de alguns cenários na série de games Assassin’s Creed.

A imagem reproduz de uma maneira muito impressionante o Sonhar tocando nas bordas dos planos inferiores, com a visão ao fundo do castelo de Morpheus.

Já o design e a direção de arte foram criadas pelo designer Rico Bacellar, também responsável por “Ruas Estranhas”.
Por que o título?

O fio de prata é a conexão que liga o nosso corpo espiritual ao nosso corpo físico quando dormimos.

Ele é o que diferencia o sonho da morte, já que, quando partido, o espírito não retorna ao corpo.
Por que o subtitulo?

O livro não se trata de uma releitura do Sandman de Neil Gaiman, mas de uma visão do Sonhar e suas entidades diferentes da apresentada por ele. Ele deu a interpretação dele sobre tais bases da mitologia grega em sua obra, eu dou a minha própria nessa daqui.

Entretanto, a obra de Gaiman no planeta Terra foi algo tão poderoso que passou a se confundir com a mitologia original, e isso é um dos estopins de metalinguagem que dá origem aos conflitos no Sonhar na história do livro, em meio a acontecimentos que entrelaçam ficção e fatos reais e alteram a realidade humana.
O que esperar desse novo livro?

Do rascunho inicial até a obra final que chega às mãos do leitores agora em agosto foram necessários sete anos de trabalho.

É uma história épica de fantasia urbana, apoiada em uma história de amor, permeada pelo melhor e o pior dos sonhos da humanidade terrestre.

Embora sejam completamente diferentes, é possível encontrar em suas camadas alguns dos mesmos elementos de construção da série Dragões de Éter, envolvendo forças no espírito humano tocando em dimensões que o mundo material não pode alcançar.

Além disso, assim como “A Invenção de Hugo Cabret” pode ser vista como uma grande ode à magia do cinema, “Fios de Prata – Reconstruindo Sandman” é minha própria ode não apenas à literatura fantástica e os autores que mudaram minha vida, mas a tudo o que sempre amei na própria fantasia como um todo.


O AUTORRaphael Draccon é roteirista profissional e autor de literatura fantástica contemporânea, ficção de horror e romances sobrenaturais. É o autor mais jovem a assinar com os braços nacionais de duas das maiores holdings editoriais do mundo, e roteirista premiado pela American Screenwriter Association.

LANÇAMENTO DA









sábado, 6 de outubro de 2012

RECOMENDANDO - Livros da Editora Biruta






Dois livros da Editora Biruta foram selecionados entre os dez finalistas do 54º Prêmio Jabuti, na categoria Juvenil. São eles:

“A Menina que não queria ser Top Model”, da autora Lia Zatz e ilustrado pela Casa Rex.



A mãe já tem o futuro traçado para a filha. Mas será que a filha compartilha os mesmos sonhos? Em “A menina que não queria ser top model”, Lia Zatz nos coloca diante da relação delicada e complicada entre mãe e filha.

Nessa narrativa, sensível e dinâmica, todos têm voz e querem contar sua história. Não existe o certo e o errado.

Apenas duas pessoas aprendendo a se conhecer e, ao mesmo tempo, a se relacionar uma com a outra e com o mundo.

E “O Baú do Tio Quim”, do autor Luiz Antonio Aguiar e ilustrado pela Casa Rex.

Quando o Baú do Tio Quim chegou, causou um bocado de assombro na família. Veio com um bilhete, escrito à mão, dirigido ao pai de Dedá:

Leandro, Pode guardar este baú para mim?

Qualquer hora eu passo para pegar. Um abraço, Quim Acontece que, pelo que a família sabia, Quim estava morto fazia muitos anos. A narrativa, cheia de mistérios e descobertas, nos leva para o mundo da imaginação e da fantasia.

Os dois livros trabalham com relações familiares e, apesar de tratarem de temas delicados, o fazem de maneira leve e divertida.




Peça infanto-juvenil em cartaz no Portão Cultural






            O espetáculo “O homem do banco branco e a amoreira” é o cartaz deste fim de semana, no auditório Antonio Carlos Kraide – Portão Cultural. A peça, dirigida por Talita Neves e Moira Albuquerque, cumpre uma breve temporada de quatro apresentações gratuitas, nos dias 6 e 7 e nos dias 13 e 14 de outubro, às 16h.  A peça conta uma história de amor de forma lúdica e poética.  Perdido nos trilhos do “trem-tempo”, um homem espera seu amor para juntos compartilharem os frutos da amoreira.

            Serviço:
            Peça “O homem do banco branco e a amoreira”
            Local: Auditório Antônio Carlos Kraide – Portão Cultural (Av. República Argentina, 3430)
            Datas e horário: dias 6, 7, 13 e 14 de outubro (sábados e domingos), às 16h
            Entrada franca
            Classificação: livre
            Informações: (41) 3229-4458/ 3345-1197


quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Hélio Ziskind e a Turma do Cocoricó em SHOW NO PAIOL!


Hélio Ziskind e a Turma do Cocoricó em

SHOW NO PAIOL!

Comemorando os  15 anos do memorável programa infantil,

a gravadora MCD lança o DVD "SHOW NO PAIOL".



Hélio Ziskind faz 4 pockets shows gratuitos

com a particpação de um dos personagens do Cocoricó.





Agenda dos Pockets Shows Gratuitos

Duração: 40 minutos

 

06/10 – sábado- Fnac Pinheiros – 11h00 - não terá distribuição  de senhas



07/10 – domingo- Saraiva do Shopping Morumbi –

16h00 – não terá distribuição  de senhas



27/10 – sábado - Livraria Cultura Bourbon – 15h00 – retirar senha 1h antes



28/10 – domingo- Livraria da Vila do Shopping  Higienópolis – 15h00 – ingresso vinculado a compra do DVD


– na compra de 1 DVD –ganha um par de ingressos.



Para o lançamento, também serão realizados 3 shows com a participação dos bonecos e seus criadores.



O DVD Show no Paiol! comemora 15 anos de um encontro  cheio de acertos, prêmios e amizades que brotaram dentro da realização do programa Cocoricó, um marco na programação infantil brasileira exibido pela Tv Cultura.

O menino e o grifo de Luiz Antonio Aguiar


O menino e o grifo


de Luiz Antonio Aguiar



    Ilustrações de Sandro Dinarte

    Dimensões:21 x 28cm

    Nº de páginas:44

    Cores:4×4

Você nunca leu um livro como esse. Nem nunca escutou falar de uma amizade como essa… O Grifo é um monstro nas histórias antigas. Quase ninguém acredita que ele exista. O Menino viveu sempre dentro da sua caverna. Não conhece coisa alguma do mundo lá fora. O Grifo voa e trava incríveis batalhas com basiliscos, seus inimigos. O Menino faz perguntas, querendo saber como é tudo o que ele nunca viu. O Menino sente muito medo. O Grifo está cansado de lutar. É também uma história de coragem, repleta de perigos, riscos e coragem. É uma amizade engraçada. Às vezes muito estranha. Mesmo assim, pode ser que ao ler este livro seu coração se transforme e você se torne um pouco daquilo que, lá no fundo, sonha em ser.
Categoria:  

O AUTOR
Luiz Antonio Aguiar




É escritor e mestre em Literatura Brasileira. Além de ganhar diversos prêmios nacionais, inclusive um Jabuti em 1994 por obra juvenil, o autor foi selecionado para o catálogo White Ravens com Sonhos em Amarelo. Já Brincos de ouro e sentimentos pingentes, publicado pela Editora Biruta, foi escolhido pelo Salão Nacional do Livro de Paris de 2010 como o representante em Língua Portuguesa da Literatura Juvenil (Pour lire en portugais).

No Rio de Janeiro, Luiz Antonio é professor do curso de qualificação em Literatura para professores, oferecido pela parceria sme/fnlij. Tem dedicação especial aos clássicos da Literatura nacional e estrangeira, e em 2008 publicou o Almanaque Machado de Assis, que recebeu o Prêmio Malba Tahan da fnlij.

É casado, tem dois netos e dirige com sua sócia, Marisa Sobral, a Veio Libri, consultoria literária que tem como clientes algumas das maiores editoras nacionais. É membro da aeilij e do Movimento Brasil Literário. Para conhecê-lo melhor, acesse:

www.luizantonioaguiar.com.br

O ILUSTRADOR
Sandro Dinarte

Nasceu em 1970 em Campina Grande, Paraíba. Reside no Rio de Janeiro desde os seus 6 anos.

Formado em artes gráficas pelo senai e senac, neste último trabalhou como professor de pintura e desenho. Foi chefe de estúdio de uma empresa internacional de perfumaria e abriu sua própria agência aos 25 anos de idade. Ilustração, design gráfico e artes plásticas fazem parte do seu dia a dia há mais de vinte anos. Já ilustrou várias capas de cd, embalagens, histórias em quadrinhos e livros para crianças, jovens e adultos.

Atualmente, divide seu tempo entre ilustrar e editar livros. Tudo isso dedicado ao amor que sente por seus dois filhos.


um lançamento


terça-feira, 2 de outubro de 2012

CENA HQ APRESENTA O PREMIADO QUADRINHO “MORRO DA FAVELA”






CAIXA Cultural Curitiba exibe leitura da obra de André Diniz, com direção de Edson Bueno





O projeto literário Cena HQ traz o premiado quadrinho “Morro da Favela” para a CAIXA Cultural Curitiba, no dia 10 de outubro. A graphic novel é escrita e desenhada por André Diniz e a leitura cênica tem direção de Edson Bueno.



O quadrinho conta a história do fotógrafo Maurício Hora, que mora no Morro da Previdência, e é constantemente questionado a se mudar por amigos e vizinhos. Durante a busca por sua identidade, Maurício pesquisou a história da sua comunidade e descobriu que suas raízes estavam cravadas na primeira favela brasileira, o Morro da Providência, que antes era chamado de Morro da Favela.



Diniz usa o contraste seco do desenho em preto e o branco para mostrar os tons de cinza da cotidiano de Maurício, sua relação com vida e a morte, com a polícia e os bandidos, com a prisão e a liberdade e o morro e o asfalto. Conta como Maurício se tornou o primeiro fotógrafo a clicar um morro carioca durante a noite e expõe a relação dele com o pai, o primeiro traficante a criar uma boca de fumo no morro. É uma narrativa importante e necessária para se entender o dia-a-dia das favelas cariocas pelo ponto de vista de um homem comum, que buscou na fotografia sua identidade e acabou fazendo um registro que se tornou histórico.



Nas palavras do diretor Marcus Vinicius Faustini, "as belas memórias em preto e branco, que acompanhamos nestas páginas, produzem combinações temáticas instigantes. Gosto de pensar que estamos diante de um novo campo de possibilidades narrativas que podem contribuir na radicalização da democracia no país." André Diniz tem um respeitado trabalho como roteirista de quadrinhos, mas se firma cada vez mais também como ilustrador de suas próprias histórias, geralmente baseadas em acontecimentos históricos do Brasil ou relacionadas com a cultura negra.



A obra “Morro da Favela” foi premiada em 2012 com o troféu HQ Mix, a principal premiação brasileira de quadrinhos, na categoria Edição Especial Nacional. A HQ foi publicada na França pela editora Des ronds dans l'O, com o título “Photo de la Favela”, com um texto na quarta capa assinado pelo grafiteiro e fotógrafo francês, JR. O volume ganhou ampla cobertura da crítica francesa, incluindo as revistas dBD, CaseMate, Spirou, Zoo, Lire, nos sites ActuaBD, CanalBD e Sceneario e até no jornal L'Éxpress. Frédérique Pelletier, da revista dBD, escreveu uma resenha na qual classificou o título como obrigatório.



André Diniz estará presente após a leitura para um bate papo com o público.



Cena HQ Brasil:

Com patrocínio da Caixa Econômica Federal, o projeto Cena HQ Brasil traz leituras mensais de graphic novels à CAIXA Cultural. Com a curadoria de autores a cargo de José Aguiar, e a curadoria de encenadores feita por Paulo Biscaia Filho, o programa faz com que esses inusitados encontros, entre quadrinhos e cena, deflagrem discussões sobre a produção de quadrinhos no Brasil, pois cada leitura é seguida de um debate entre o encenador e o autor da obra.



Ficha Técnica:

Quadrinho: Morro da Favela

Texto e desenho: André Diniz

Direção da leitura: Edson Bueno

Elenco: Evandro Santiago, Raphael Moraes, Lucas Ribas, Vida Santos, Lucan Vieira, Rudi Mayer, Robysom Souza, Renata Chemin e Guilherme Fernandes



Serviço:

Literatura: Cena HQ Brasil

Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR)

Data: 10 de outubro de 2012 (quarta-feira)

Hora: 20h

Ingressos: Um livro não didático ou um livro de quadrinhos

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sexta-feira, das 12h às 20h, sábado, das 16h às 20h e domingo, das 16h às 19h)

Classificação etária: Não recomendado para menores de 14 anos

Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

Tem post novo no Blog do Le-Heitor.


 
Heitor foi a três lançamentos, incluindo o do Ferréz no Capão Redondo, leu um livro dele e conta tudo no blog: http://blogdoleheitor.sintaxe.com.br

Angela Dip estreia Penélope, a Repórter Cor-de-Rosa no Teatro Alfa




Com direção de Carla Candiotto (prêmios FEMSA e APCA 2011) e atuação de Ângela Dip, o espetáculo infantil traz um dos mais populares personagens infantis da televisão brasileira para os palcos. Por meio de uma encenação divertida e ágil, o espetáculo revela para as crianças o funcionamento de um programa de televisão e propõe um bate-papo sobre o que cada um quer ser quando crescer





Quem foi criança na década de 90 já morreu de rir com a repórter bonita, popular e apresentadora de seu próprio telejornal. Agora, os pequenos da nova geração vão ter a oportunidade de conhecer esta hilária personagem e, ainda, se aproximar do universo da televisão. Com roupas, maquiagem e cabelos cor-de-rosa, a atriz Ângela Dip volta a interpretar um dos mais importantes personagens da televisão brasileira, agora no teatro, sob direção de Carla Candiotto (Prêmios FEMSA 2011 Por Histórias por Telefone e APCA 2011 por Histórias por Telefone, A Volta ao Mundo em 80 Dias e Sem Concerto - ambos na categoria de Melhor Direção). Trata-se do espetáculo Penélope, a Repórter Cor-de-Rosa, que estreia dia 29 de setembro, sábado, às 16 horas no Teatro Alfa.



A peça infantil tem texto de Flavio de Souza, direção de arte, figurino e adereços de Marco Lima, desenho de luz de Wagner Freire e trilha sonora de Helio Ziskind e Ivan Rocha. O contra-regra e ator Robson Villsac interpreta o assistente da protagonista. A personagem Penélope é inspiração do programa Castelo Rá-Tim-Bum, gravado pela TV Cultura de 1994 a 1997.



Toda criança já teve curiosidade em saber o que acontece atrás das câmeras da televisão. De onde vem a luz, os aplausos, os figurinos? Quantas pessoas precisam trabalhar para um programa ir ao ar? Em cena, a famosa jornalista apresenta seu telejornal no estúdio, com os bastidores abertos aos olhos do público. Desta forma, as crianças podem ver tudo, bem de perto, e aprender um pouco sobre produção de roteiros, atuação, iluminação, trilha sonora, cenografia, figurinos, efeitos especiais.



Carismática, a personagem também revela porque se tornou jornalista, qual o verdadeiro mistério sobre suas roupas e adereços cor-de-rosa, porque se chama Penélope etc. Além disso, propõe um descontraído bate-papo sobre carreira, aguçando a criatividade das crianças.



A criação

Para Ângela Dip, Penélope sempre foi um personagem muito forte e marcante. “Até hoje eu encontro fãs que têm entre 18 e 20 e poucos anos e muitos dizem que se tornaram jornalistas por causa da personagem. Como o figurino de Penélope é muito presencial, muita gente ainda não me reconhece como a atriz que interpretava o papel. Quando falo sobre o assunto em apresentações de stand-up, entrevistas ou twitter, as pessoas ainda se chocam e sempre me dão um feedback extremamente carinhoso.”



Desta forma, trazer a Penélope de volta sempre foi uma vontade de Ângela. Procurou Flávio de Souza (o mesmo autor de Castelo Ra-Tim-Bum) e pediu que escrevesse um texto. Depois, chamou Carla Candiotto - com quem tentava uma parceria há muito tempo -  para dirigir.



Juntas, Ângela Dip e Carla Candiotto adaptaram a personagem Penélope para as crianças da nova geração. “O espetáculo é uma oportunidade de apresentar uma figura que marcou época no programa da TV Cultura às crianças que ainda não a conhecem. Já os mais velhos vão matar as saudades desta deliciosa criação”, explica a diretora Carla Candiotto. ”Estamos explorando a personalidade da figura doidinha, curiosa, hiper-ativa, engraçada e que se veste inteirinha de rosa, livre de qualquer relação com o programa”, conta a protagonista.



O cenário do espetáculo reproduz um estúdio de televisão, com câmeras, refletores e tripés. Parte do figurino é idêntica ao de Penélope, do Castelo Rá-Tim-Bum, mas Marco Lima também criou adereços e novas peças para incrementar a montagem. Tudo rosa, é claro. A trilha sonora do espetáculo é recortada por seis músicas. Cinco delas são composições de Ângela Dip com melodias de Helio Ziskind e Ivan Rocha, criadas especialmente para a peça.



“Nesse sobe e desce de nossas carreiras, finalmente nos encontramos e vamos trabalhar juntas. Carla é uma super diretora de teatro infantil, tem uma pegada de comédia que eu admiro e combina comigo. Estamos nos dando muito bem neste trabalho”, conta a protagonista.



Para Carla Candiotto, Ângela Dip é uma “atrizona, que faz acontecer. Ela é segura, generosa, talentosa. Respeito muito o trabalho e a pessoa”, conta a diretora, que também faz parte do time de comediantes do programa Saturday Night Live, da Rede TV, desde a estreia, em maio deste ano.



(Douglas Picchetti – setembro / 2012)





Sobre a atriz Ângela Dip

Inicia a carreira no teatro, em Porto Alegre. Entre os principais espetáculos estão: "Sabor a Freud", dirigido por Debora Dubois; “O Barril” - uma comédia filosófica, dirigida por Vivien Buckup; “La Putanesca” - stand up comedy; “Hotel Lancaster” dirigido por Marcos Loureiro; “Escândalo” dirigido por Eliana da Fonseca; “Acordes Celestinos”, dirigido por José Rubens Chachá; “O Grande Dia”, dirigido por Marco Antônio Braz; “O Mambembe”, dirigido por Gabriel Villela; “As Guerreiras do Amor”, dirigido por Celso Frateschi; “Controle Remoto”, dirigido por Elias Andreato; “Kean”, dirigido por Aderbal Freire-Filho; “Uma Coisa Muito Louca”, dirigido por Enrique Díaz; “Ubu, Pholias Physicas, Pataphysicas e Musicaes”, dirigido por Cacá Rosset e “Zerói”, dirigido por Hugo Possolo dos Parlapatões – grupo o qual a atriz fez parte por 5 anos ininterruptos. Nos anos 80, com Grace Gianoukas e Marcelo Mansfield fundou um grupo que deu origem ao “Terça Insana”, onde participou por 3 anos consecutivos. Entre os seus principais trabalhos na TV, estão Penélope do programa infantil “Castelo Rá-Tim-Bum” produzido pela TV Cultura; Araci Barbosa da novela “Dance, Dance, Dance” produzida pela TV Bandeirantes e Tania da série adolescente “Malhação ID” produzida pela Rede Globo. Ainda na mesma emissora, realizou participações especiais nas novelas “Aquele Beijo” e “Avenida Brasil” (2012); nos seriados “Aline” (2011), “Retrato de Mulher”, “Retrato Falado”, “Sob Nova Direção” (2006/2007); no sitcom “Toma Lá, Dá Cá” (2008) e na minissérie “Maysa – Quando Fala o Coração” (2009). Na TV Cultura, participação nos seriados “Rá-Tim-Bum”, “Castelo Rá-Tim-Bum” e “Ilha Rá-Tim-Bum”.






Sobre a diretora Carla Candiotto

Iniciou sua carreira na Europa, onde morou 10 anos. Formada em teatro na “Ecole Internationale Philippe Gaullier”, em Paris, estudou com Monika Pagneux, Arianne Mnouskine Théâtre du Soleil, John Wright, Desmond Jones, Frank Armstrong e Théâtre de Complicité. É formada no método de consciência corporal Moshe Feldenkrais, nos USA, onde estudou 4 anos. Trabalhou 7 anos nos Doutores da Alegria. Na Inglaterra, trabalhou com a Cia Théâtre Sans Frontières nos espetáculos: “Cândido” (prêmio Electric Award Festival de Edimburgo, na Escócia) e participação no Festival de Avignon, na França; “O Corcunda de Notre Dame”,” La Belle et la Bette”, “African Tales”,” Le Roi Fou”, “The Day of the Dead”. Em Paris, trabalhou com a Cia Fleur de Peau de Denisa Namura no espetáculo “Scarllet” e com a Cia Paris 21 nos espetáculos “Cem anos de solidão” e “A sala número 6”. No Brasil, fundou em Paris com Alexandra Golik a Cia Le Plat du Jour, que tem em seu repertório os espetáculos: “As Filhas de Lear”, “Chapeuzinho Vermelho” (prêmio APCA 2001, Grande Prêmio da Crítica, melhor espetáculo infantil participação do Festival Teatrália, em Madrid, na Espanha); “Os Três Porquinhos” (prêmio APCA 2003 e Panamco Femsa de Teatro de melhor espetáculo e melhores atrizes) ; “Insônia”, “Aladim e a Lâmpada Maravilhosa” (este espetáculo realizou turnê pela Inglaterra, Escócia, Irlanda, França e China). “O Poço” (prêmio Myriam Muniz de Teatro), “João e Maria”; “Peter Pan e Wendy” (prêmio APCA e Coca-Cola Femsa de Teatro de melhor atriz); “Alice no país das Maravilhas”, “Pinóquio” e “Vilcabamba”. Além dos espetáculos da Cia Le Plat du Jour, dirigiu os espetáculos com os Parlapatões, Patifes e Paspalhões – “Sardanapalo” (primeira versão), “Zerói” (como assistente de direção) e “De cá pra lá de lá pra cá” (prêmio Coca-Cola de Teatro); com a Cia Pia Fraus Teatro - “Gigantes de Ar” e “Bichos do Mundo”; “La Mínima A la Carte” (direção de ator), “Cia Circo Mínimo - Deadly” (assistente de direção), “Orgulho”, “João e o Pé de Feijão” e “Road Movie”, Cia Linhas Aéreas – “Galinhas Aéreas”. Na Austrália, com Rodrigo Matheus dirigiu “New Breed” e “Love Happens” da NICA - National Institute of Circus Arts. Circo Amarillo – “Sem Concerto”, cia Solas de Vento – “A Volta ao mundo em 80 dias” e "Histórias por Telefone" (prêmio APCA de melhor espetáculo). Cia Delas indicado ao prêmio Coca-Cola Femsa de Teatro como melhor direção, melhor texto, melhor produção, melhor atriz e melhor figurino. Recebeu Prêmio APCA 2011 de melhor direção dos espetáculos Histórias por Telefone, A Volta ao Mundo e Sem Concerto.



FICHA TÉCNICA

TEXTO: Flavio de Souza. DIREÇÃO: Carla Candiotto. ELENCO: Angela Dip. DIREÇÃO DE ARTE CENÁRIO, FIGURINO E ADEREÇOS: Marco Lima. DESENHO DE LUZ: Wagner Freire. TRILHA SONORA: Helio Ziskind e Ivan Rocha. OPERAÇÃO DE LUZ, OPERAÇÃO DE SOM, MONTAGEM DE LUZ e CONTRA-REGRA / ATOR: Robson Villsac. PROGRAMAÇÃO VISUAL: Ricardo Vivona. PRODUÇÃO GERAL: Flávia Tonalezi.



SERVIÇO

Estreia dia 29 de setembro no Teatro Alfa, na Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722 - Santo Amaro. Temporada: de 29 de setembro a 25 de novembro. Sábados e Domingos às 16h. Duração: 50 minutos. Ingressos: R$ 30. Indicado para crianças a partir de 3 anos. Ingressos: [11] 5693.4000 ou 0300.7893377.

20/10 A MENINA QUE BRILHA NO CIRCUITO MACU


Circuito Macu de Teatro apresenta

“A MENINA QUE BRILHA”



O espetáculo infanto-juvenil terá 2 apresentações,

dias 20 e 21 de outubro, no Teatro Macunaima.

A  direção é de Leandro Galor,   com roteiro de

Cal Titanero e Lilian Borges da Cia. Loucos do Tarô.





Comemorando o mês das Crianças, a Cia. Loucos do Tarô

apresenta o espetáculo infantil “A Menina que Brilha”,

nos dias  20 de outubro, sábado, às 21h e no dia 21 de Outubro,

domingo às 20h,  no Teatro Macunaima.



A Menina Que Brilha é uma fábula que conta a trajetória de um príncipe solitário,

que a pedido de seu Conselheiro, organiza uma baile para se casar.

No baile, o príncipe se encanta por uma menina que brilha e desaparece

sem que ninguém perceba. Ao procurar a menina, o príncipe entra num mundo

encantado de animais que lhe ajudam em sua trajetória para encontrar

o brilho que tanto procura e que na verdade está nele mesmo.

Querendo atrapalhar o caminho do rei, uma bruxa contando com a ajuda

de um sapo e um corvo fazem de tudo para evitar este encontro.



O espetáculo que ganhou o Premio Jovem Brasileiro e concorre ao

Festival de Teatro da Cidade de São Paulo, foi realizado junto ao Ministério da Cultura,

com patrocínio do Hotel Toriba, TEBE Concessionária de Rodovias, Capemisa,

Seguradora da Vida e Previdência e esteve em cartaz nos meses de Abril

a Junho no Teatro Augusta, além de apresentações no RJ e interior de SP.



  

 

Serviço

Circuito Macu de Teatro apresenta

“A Menina Que Brilha”

Autores:  Cal Titanero e Lilian Borges.

Direção: Leandro Galor.

Elenco: Cal Titanero, Carol Mafra, Danielle Scavone, Erica Correia, Fabiola Araujo, Gabriela Portieri, Jô de Souza, Lilian Borges, Mauricio Spina, Ricardo Aciole, Stella Portieri e Thales Cristovão.

Temporada: dia 20 de outubro, sábado, às 21h e dia 21 de outubro, domingo, às 20h.

Duração:  60 minutos

Censura: livre

Ingressos: 8 de junho a 29 de julho

Ingressos: R$ 14,00  (R$ 7,00 meia)

Teatro 3 - 72 lugares

Bilheteria: na sede do Macunaima das 9h às 21h ou pelo site www.ingresso.com

Tel: 4003.2330

Teatros do Macunaíma 1, 2, 3, 4 e 5

www.macunaima.com.br

Rua Adolpho Gordo, 238 – Barra Funda

(11) 3217.3400

Camerata faz concertos didáticos para alunos das escolas municipais






O programa “Alimentando com Música”, criado pela Camerata Antiqua de Curitiba com o objetivo de difundir entre os alunos de escolas municipais a linguagem da música erudita, tem uma nova edição neste mês de outubro. Aproximadamente 2 mil crianças assistirão às apresentações do espetáculo “Alegria da Vida”, a partir desta terça até sexta-feira (2 a 5), na Capela Santa Maria Espaço Cultural.

Com regência do violinista mineiro Rodrigo Toffolo, o repertório reúne obras do cancioneiro infantil brasileiro, assinadas por alguns dos principais compositores nacionais. As apresentações são estruturadas de forma cênica e educativa, de maneira a atrair a atenção do público infantil. O mesmo espetáculo foi apresentado em junho deste ano, para 2.200 alunos de 50 escolas municipais.

Os concertos didáticos, promovidos pela Fundação Cultural de Curitiba e Instituto Curitiba de Arte e Cultura, em parceria com a Secretaria Municipal da Educação, por meio do programa Comunidade Escola, e a Fundação de Ação Social de Curitiba (FAS), são um exercício de cidadania e aprendizado, envolvendo músicos, alunos de várias escolas e seus mestres. Além de possibilitar às crianças o conhecimento e o funcionamento de uma orquestra, a iniciativa pretende despertar nesses jovens estudantes a curiosidade a respeito do repertório erudito e aproximá-los desse vasto e rico universo musical.

Em “Alegria da Vida” estão composições de Vinícius de Moraes, Chico Buarque, Francis Hime, Edu Lobo, Paulo Soledade, Marcos Valle, Paulo Sérgio Valle, Nelson Motta e do curitibano Marco Aurélio Koentopp, que também responde por todos os arranjos do repertório. Completam o programa duas canções da tradição oral e de autores desconhecidos, “Escravos de Jô” (folclore) e “Estrelinhas”, essa última contando com a participação especial dos alunos violinistas Jeasy Parreira de Assis e João Pedro Ruthes Kimura.

Compositor paranaense – Entre as obras que integram o “Alimentando com Música 2012” consta “O Relógio”, uma parceria de Vinícius de Moraes (1913 – 1980) com o paranaense Paulo Soledade (1919 – 1999). Nascido em Paranaguá, Paulo Gurgel Valente do Amaral Soledade esteve envolvido com a música desde a infância, embora sua primeira atividade artística tenha sido como ator. Foi compositor, produtor de shows e empresário, atuando desde 1940.

Em 1950, Soledade teve sua primeira composição gravada – a marcha "Zum-zum", com Fernando Lobo – lançada por Dalva de Oliveira pela Odeon, que foi o grande sucesso do carnaval do ano seguinte. Desenvolveu uma produtiva parceria com Vinícius de Moraes, compondo com ele as músicas "O Pato" e "O Relógio”, que integraram o LP "A Arca de Noé" (1980), e, no ano seguinte, "O Peru", "O Pinguim" e "A Formiga", gravadas no disco "A arca de Noé - volume 2".



Convidados – Na edição 2012 do “Alimentando com Música”, a Camerata Antiqua de Curitiba tem como regente convidado o violinista Rodrigo Toffolo. Nascido em Ouro Preto (MG), o músico é formado em violino pela Universidade Federal de Minas Gerais e mestre em Musicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Integrante do grupo de câmara Bateia, com pesquisa e interpretação de música brasileira, Toffolo fundou a Orquestra Experimental UFOP – Universidade Federal de Ouro Preto, da qual é regente e coordenador artístico. Aluno de regência de Ernani Aguiar, na Universidade Federal do Rio de Janeiro, o músico tem participações em vários festivais brasileiros e dedica-se à música histórica de Minas Gerais.

A direção cênica do espetáculo “Alegria da Vida” está a cargo da artista plástica curitibana Jacqueline Daher, que há 30 anos atua em todo o Brasil como diretora de arte na criação de ambientes cenográficos. 

Fundadora da Cia. das Índias de Teatro, junto com Raul Cruz, Jacqueline iniciou a vivência em teatro em 1983, com uma proposta de pesquisa experimental. A partir de 1994, passou a conceber e dirigir espetáculos para grupos instrumentais e cantores de música brasileira, entre eles Kátia Drummond, Eliane Keller, Grupo Fato, Sandra Ávila, Rogéria Holtz, Edith de Camargo, Michelle Pucci, Vocal Brasileirão e Coro da Camerata Antiqua de Curitiba.

O elenco de convidados do espetáculo “Alegria da Vida” inclui também a bailarina Marina Prado, o “clown” Matias Donoso e a instrumentista Grace Torres, que respondem por performances especialmente criadas para a ocasião. A iluminação é de Nádia Luciani e os figurinos foram criados por Heroína-Alexandre Linhares, sendo que a gravação em áudio é um trabalho de Ulisses Galetto.



Serviço:

Alimentando com Música – concertos dirigidos a crianças da rede municipal de ensino

Espetáculo “Alegria da Vida”

Datas e horários: dias 2 e 4, às 14h30 e às 15h30, e nos dias 3 e 5, às 9h30 e às 10h30.

Local: Capela Santa Maria – Espaço Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 273 – Centro)



Programa

Abertura – Marco Aurélio Koentopp (1968)

“A história de uma gata” – Chico Buarque de Holanda (1944)

“O Ar (O Vento)” – Vinícius de Moraes (1913 – 1980) / Toquinho (1946)

“Passaredo” – Chico Buarque de Holanda (1944) / Francis Hime (1939)

“A Casa” – Vinícius de Moraes (1913 – 1980)

 “Estrelinhas” – compositor anônimo – com participação especial dos alunos violinistas Jeasy Parreira de Assis e João Pedro Ruthes Kimura

“Valsa dos Clowns” – Chico Buarque de Holanda (1944) / Edu Lobo (1943)

“O Relógio” – Vinícius de Moraes (1913 – 1980) / Paulo Soledade (1919-1999)

“Escravos de Jó” (folclore) – compositor anônimo

“Alegria da Vida” – Marcos Valle (1943), Nelson Motta (1944) e Paulo Sérgio Valle (1940)

Finale – Marco Aurélio Koentopp (1968)

DE VOLTA AO COMEÇO Peça de teatro da Figurino e Cena Produções Artísticas




“O que é inesquecível pra você?”



DE VOLTA AO COMEÇO fala sobre adultos e crianças, sobre tios e sobrinhos, sobre avós e netos e sobre pais e filhos. A direção é de Paulo Vinícius que também assina os figurinos do espetáculo, elemento importante para o desenvolvimento estético do espetáculo. Construído todo em preto e branco, o figurino da forma aos personagens e estimula o entendimento do público diante das imagens apresentadas nas cenas. 

O elenco é composto por jovens atores que em cena vivem pequenas histórias que tem como fio condutor o hibridismo de linguagens, misturando o teatro, a dança, o vídeo e a música. A trilha musical foi composta por Luiz Sadaiti, exclusivamente, e tem grande importância para o desenvolvimento da linguagem cênica apresentada no espetáculo. Os atores cantam, dançam e interpretam dentro das canções. A preparação vocal e a direção musical foram desenvolvidas por Junior Pereira, musico que há anos vem se dedicando ao trabalho com musicais em Curitiba.  As pequenas histórias de DE VOLTA AO COMEÇO falam de saudade, de segredos, de conquistas, da vida, da morte e do amor incondicional dentro da família. A dramaturgia desenvolveu-se a partir da observação e vivência das relações entre adultos e crianças, vividas pelo grupo. É uma peça destinada para todas as idades que valoriza a educação sentimental da criança. É sentimento, emoção.

Duração: 45 minutos

Todas as informações atualizadas sobre o espetáculo estão disponíveis no endereço virtual:  http://omundogiraaosteuspes.blogspot.com.br/



Sobre a Figurino e Cena

A Figurino e Cena Produções Artísticas vem atuando no teatro curitibano desde 2008 com trabalhos de figurino e cenografia, realizados por Paulo Vinícius, artista  responsável por inúmeros trabalhos de conhecidos diretores e companhias da cidade. A partir de 2011, a produtora passa a produzir também seus próprios trabalhos e agora estreia o seu primeiro espetáculo infantil. Entre os trabalhos anteriores da produtora está a exposição virtual SAPATARIA ROCOCÓ, um trabalho de composição em figurino, de Paulo Vinícius, que traz 12 pares de sapatos customizados e modificados artesanalmente. O trabalho pode ser visitado no endereço sapatariarococo.blogspot.com.br. Este e outros trabalhos, registrados em fotos e croquis,  estão disponíveis no portfólio da Figurino e Cena no endereço www.figurinoecena.ato.br



FICHA TÉCNICA:



Direção: PAULO VINÍCIUS

Composição Musical / Trilha original: LUIZ SADAITI

Direção Musical: JUNIOR PEREIRA

Iluminação: WAGNER CORRÊA

Maquiagem: LUIZ LOPES

Coreografias: MICHELLE RODRIGUES

Desenhos: MARCELO BERGAMO

Fotos: CHICO NOGUEIRA

Contra Regra: BRUNA MIORIM

Design gráfico: JOHNNY LEAL

Elenco: JOHNNY LEAL, JULIANA LANG, LUCAN VIEIRA e MICHELLE RODRIGUES

Realização e Produção: FIGURINO E CENA PRODUÇÕES ARTÍSTICAS



SERVIÇO

06 e 07 de Outubro, às 16h no Teatro do Sesi - Av. Comendador Franco 1341 - Jardim Botânico

Ingressos a 20,00 (Inteira) e 10,00 (meia)

Informações: 3222-0355