segunda-feira, 28 de março de 2011

Lançamentos - Editora Biruta lança novo livro de Caio Riter



Pedro Noite

de Caio Riter

Ilustrado por Mateus Rios


32pp. / 20 x 26 cm /



Em Pedro Noite o escritor conta, em forma de poesia, a história da infância de um amigo e aborda as questões de identidade e preconceito
Um livro sensível que trata com sensibilidade de uma vida de perdas e ganhos e mostra que as origens não podem ser esquecidas.



A Editora Biruta lança Pedro Noite. Novo livro de Caio Riter tem ilustrações de Mateus Rios e conta, em forma de poesia, a história da infância de um amigo do escritor. "Escrever é, para mim, algo especial; fico espiando a vida e procurando algo para contar. Um dia, ouvi um amigo meu, o Pedrão, falar de sua infância, e fiquei achando que tudo aquilo que ele dizia poderia virar história-poema. Assim escrevi Pedro Noite". É a primeira vez que Caio Riter usa os recursos da poesia para escrever um livro. Segundo ele "foi difícil, mas gostei".


O LIVRO
Pedro era um garoto que ria de tudo, "menino pintado de noite, olhos de estrela, boca de lua crescente, canção de pássaro entre os dentes". Desde pequeno seu pai o mandava apertar os lábios para ficar sempre bem fino. E o menino Pedro obedecia. Na parede da sua casa havia um retrato dele com o pai, com "o cabelo liso, todo ondulado, a pele nem tão escura, porém, quando olhava, meio de lado, o canto do olho é que via, no reflexo do vidro espelhado, um Pedro que não era o do desenho. Era negro. Era noite". O menino se perguntava por que o retrato na parede não mostrava o Pedro de verdade. "Por que era tão quase igual aos outros meninos, noite escura desmaiada? Pergunta sem resposta é sempre buraco no coração". O ilustrador Mateus Rios fala sobre o seu trabalho neste livro: "Ao narrar em imagens a história de Pedro Noite, tive como fio condutor a solidão e a angústia do personagem, que aos poucos cedem lugar à libertação pelo conhecimento de sua história e descoberta de suas origens".
OS AUTORES

Caio Riter nasceu em 24 de dezembro de 1962, em Porto Alegre (RS). Bacharel em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo pela PUC-RS. Mestre e Doutor em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Recebeu diversos prêmios: Orígenes Lessa, FNLIJ 2007, Altamente Recomendável - FNLIJ 2007, White Ravens - Alemanha - 2007, Prêmio Açorianos de Literatura - 2006; Primeiro Prêmio Barco a Vapor - Edições SM - 2005. Além deste livro Caio Riter publicou pela Editora Biruta Meu Pai não mora mais aqui, As Luas de Vindor e A Formação do Leitor Literário em Casa e na Escola.



Mateus Rios é carioca e hoje mora e trabalha em São Paulo; fez faculdade de cinema. Trabalha com ilustração de livros, projetos de animação e publicidade. Gosta de descobrir e testar novos modos de contar histórias, experimentando diversos materiais, meios e modos de narrar; deixando os olhos descobrirem caminhos e cores neste jogo com o texto. Dando forma ao que as palavras lhe inspiram. Pela Editora Biruta, além deste ilustrou São Chiquinho Ou o Rio Quando Menino e Inventário de Segredos.

um lançamento

sexta-feira, 11 de março de 2011

EVENTO - A cidade comemora o seu aniversário,


Domingo com atrações culturais nos teatros e parques



No mês em que a cidade comemora o seu aniversário, a programação cultural se estende por diversos espaços. Neste domingo (13), as crianças têm opções de peças infantis nos teatros do Piá e Dr. Botica. Os parques também continuam sendo palcos de atividades culturais. O Bosque de Portugal recebe o programa Música nos Parques, tendo como atração o show Guitarra Paranaense. O Biblioparque estará desta vez no Parque Tingüi.

O espetáculo “Adamastô” estreia domingo, às 11h, no Teatro do Piá. O texto é de Itaércio Rocha e a encenação do Grupo Mundaréu – o mesmo que comandou o animado bloco carnavalesco Garibaldis e Sacis. No Teatro Dr. Botica, o cartaz às 15h e 17h é a peça “Olhando-te”, de Olga Romero, baseada em vivências sensoriais e intelectuais da autora. O espetáculo constitui um passeio pelas ruas de Curitiba, onde a autora revela descobertas literárias, plásticas, históricas e musicais.

O músico Rodrigo Simões apresenta o show Guitarra Paranaense, às 15h30, no Bosque de Portugal. Com sua guitarra elétrica, Rodrigo propõe um show de música instrumental e de obras inéditas inspiradas por temas do Paraná, como “Guitarra Paranaense”, “De Auckland a Curitiba” e “Guarapuava-tchê”. Ele também faz releituras de um dos grandes ícones da música popular – a dupla Belarmino e Gabriela.

O Biblioparque estará atendendo os frequentadores do Parque Tingüi. O equipamento, desenvolvido numa parceria entre a Fundação Cultural e a Vivo, permite que a população empreste livros gratuitamente, mediante apresentação de um documento. Ele é itinerante e conta com uma estrutura especial para proteger uma estante de títulos atuais da literatura brasileira e estrangeira, além de acomodar mesas, cadeiras e pufs. O Biblioparque integra o programa Curitiba Lê, desenvolvido pela Prefeitura para incentivar o hábito da leitura entre os curitibanos.



Serviço:



Atrações culturais do próximo domingo, 13 de março de 2011:



Teatro do Piá (Praça Garibaldi, nº 7), às 11h – espetáculo “Adamastô”

Entrada franca



Teatro Dr. Botica (Shopping Estação – Av. 7 de Setembro, 2.775), às 15h e 17h – espetáculo “Olhando-te”

Ingressos: R$ 15 e R$ 7,50 (meia entrada)



Bosque de Portugal (Rua Fagundes Varela – Jardim Social), às 15h30 – show “Guitarra Paranaense”, com Rodrigo Simões

Entrada franca



Parque Tingüi (R. Fredolin Wolf, s/nº - São João), das 10h às 18h – Biblioparque

Entrada franca

quinta-feira, 3 de março de 2011

Espetáculo infantil dos Parlapatões chega ao Teatro da CAIXA




“Parapapá! Circo Musical” tem roteiro de Hugo Possolo e retrata a cultura circense

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o espetáculo infantil do grupo Parlapatões, “Parapapá! Circo Musical”, nos dias 12 e 13 de março. Com roteiro de Hugo Possolo, a peça resgata diversas canções da MPB que se inspiram na arte circense, em cenas interpretadas por atores, cantores e acrobatas.

As canções fazem da narrativa uma história singela. Um menino pobre do interior vê a chegada do circo em sua cidade, mas não tem dinheiro para ir ao espetáculo. Não se sabe se é sua imaginação ou realidade, mas ele vê os seus brinquedos – peões, iô-iôs e bolas de gude – se transformarem em números circenses. O menino desenvolve uma relação profunda com os integrantes da trupe e a história irá definir como será a hora da partida, ser o menino seguirá com o circo ou se o circo seguirá nele.

As características visuais e musicais do espetáculo são tipicamente brasileiras, inspiradas no artesanato e nas brincadeiras populares. “Parapapá! Circo Musical” resgata cantilenas típicas da tradição circense e, recupera ainda, antigos lundus, músicas típicas dos circos do final do século XVIII, além de jogos que originaram o circo brasileiro. A música, executada ao vivo, conta com os músicos da Banda Strombólica. Os arranjos são de Alexandre Dalóia, indicado ao Prêmio Pananco 2010 como melhor trilha sonora. O espetáculo também concorre ao Prêmio Pananco na categoria de melhor Produção.

A inspiração da peça foi o álbum “Circo”, gravado pelos Parlapatões e diversos convidados em 1998 (Gravadora Atração), e indicado naquele ano ao Prêmio Sharp de melhor CD Infantil. A montagem estreou em abril de 2010 e comemora os 20 Anos do grupo teatral Parlapatões.

Grupo Parlapatões

A criação do grupo Parlapatões é simultânea à retomada do Teatro de Rua de São Paulo e à luta por maior liberdade de expressão na arte. A junção da arte circense a forma teatral foi a grande inspiração do grupo, que se dedica à pesquisa em torno da arte da palhaçaria e dos brincantes brasileiros. Em 2011, os Parlapatões completam 20 anos de história e, nesse período, montaram 38 diferentes espetáculos, infantis e adultos, além de eventos e mostras. As montagens já passaram pelos mais importantes festivais de teatro brasileiros e internacionais.

O grupo recebeu diversos prêmios em sua trajetória: Jornada SESC de Teatro (1993) com “Sardanapalo”; Prêmio Estímulo (da Secretaria de Estado da Cultura 1995) com “Zèrói”; Grande Prêmio da Crítica 97 – APCA com “Vamos Comer o Piolim”; Prêmio Apetesp com “ppp@wllmshkspr.br; Prêmio Estímulo Flávio Rangel (1997) com “Não Escrevi Isto” e Prêmio Shell 1998, com este mesmo espetáculo. Também recebeu indicações para os prêmios Shell, Mambembe, Apetesp, Sharp e Coca Cola de Teatro Jovem.

Ficha Técnica

Roteiro e textos: Hugo Possolo

Direção: Hugo Possolo e Henrique Stroeter

Direção Musical e Arranjos: Alexandre Dalóia

Elenco: Raul Barretto, Adonis Comelatto, Fabek Capreri, Lia Bernardes, Hélio Pottes, Wallace Alcântara e Nayara Nascimento

Músicos: Fernando Thomaz (Bateria e percussão) e Daniel Xingu (Violão e viola)

Coreografias: Henrique Stroeter e Paulo Goulart Filho

Duração: 60 minutos

Serviço

Teatro: “Parapapá! Circo Musical”

Local: Teatro da CAIXA – Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba/PR

Data: 12 e 13 de março

Hora: sábado 16h e 18h e domingo 16h

Ingressos: R$10 e R$5 (meia – conforme legislação e correntista CAIXA)

Bilheteria:(41)2118-5111(de terça a sexta, das 12 às 19h, sábado e domingo, as 16 às 19h).

Classificação etária: Livre para todos os públicos

Lotação máxima do teatro: 125 lugares (02 para cadeirantes)

www.caixa.gov.br/caixacultural



Oficina de Construção de Instrumentos Musicais











Oficina de Construção de Instrumentos Musicais

Sábado, 26 de Março de 2011

Horário: Das 15h às 18h

Destinatários: Crianças, Jovens, Adultos e Séniores (Dos 8 aos 88 anos)

Inscrições: 7 euros (pré-pagamento no Clube Literário do Porto ou por cheque à ordem de Fundação Dr. Luís de Araújo)

As inscrições podem ser feitas através do email institutodemusica.clp@gmail.com ou na recepção do Clube Literário do Porto

OFICINAS INSTRUMENTAIS – Construção de Instrumentos

As oficinas Instrumentais são ateliers de construção de instrumentos musicais e objectos sonoros e a aplicação musical dos mesmos. Pensadas especialmente para serem uma introdução prática e sensorial à musica, utilizando métodos pedagógicos modernos, inovadores e sobretudo atraentes. Este ensino permite aproveitar todas as aptidões que os formandos possuem e/ou podem vir a desenvolver.

Objectivos das Oficinas:

Desenvolver a sociabilidade e a comunicação

Desenvolver a percepção auditiva: escutar, reconhecer e reproduzir sons

Desenvolver a interpretação e interacção a partir da escuta de todos os instrumentos, (denominada por Itiberê de “de corpo presente” – a música é entendida e apreendida como um todo)

Despertar o desenvolvimento do sentido rítmico – que é instintivo e consciente – para que deste modo estimule a imaginação motriz dinâmica

Favorecer a expressão corporal desenvolvendo a psicomotricidade e a precisão rítmica

Desenvolver o equilíbrio e coordenação motora

Exercitar a expressão corporal e musical

Desenvolver a percepção rítmica, melódica e harmônica, a memória e a estética musical.

Formador:















Indalécio Paiva (Músico e Criativo)

Actualmente professor de iniciação musical (Escola de Música “S.C.Dez de Junho”), performer (REPLAY e TRIACUSTICO), professor de expressão musical “Lar Monte dos Burgos”, professor de expressão musical “APPC-Porto” e orientador do grupo de música tradicional portuguesa “DouroEncanto”.




Clube Literário do Porto

Rua Nova da Alfândega, nº 22

4050-430 Porto

Tel. 222 089 228

Fax. 222 089 230

Email: clubeliterario@fla.pt

URL: www.clubeliterariodoporto.co.pt

http://clubeliterariodoportofla.wordpress.com/

******** *****