terça-feira, 19 de outubro de 2010

Conversa de Bicho



Conversa de Bicho

Lila Prap

Ilustrado pela autora

40 pp. / 24 x 24 cm /

A Editora Biruta lança Conversa de Bicho. Escrito e ilustrado por Lila Prap, este livro brinca com as letras para formar palavras e frases e estimular a criatividade do jovem leitor. As belas ilustrações de Lila Prap e as divertidas onomatopéias desse livro permitem que os jovens leitores exerçam sua criatividade, independente do nível de leitura em que se encontram. A associação de três níveis de leitura, na mesma obra, permite que esse livro seja utilizado pelas crianças de diferentes maneiras. As mais jovens, ainda não alfabetizadas, podem fazer uma leitura visual, ou ser acompanhada por um adulto na leitura das frases; outras já poderão ler algumas palavras e há aquelas que desvendarão sozinhas o sentido das frases. O objetivo deste livro não é apresentar a ordem alfabética, mas sim, propor um jogo de palavras, letras, imagens e frases, estimulando diferentes formas de leitura.


A AUTORA
Lila Prap nasceu na Eslovênia, em 1955. É uma das mais populares autoras e ilustradoras de seu país e é cada vez mais conhecida no resto do mundo. Ela trabalha com design gráfico, decoração de interiores, escrita e ilustração. Alguns de seus trabalhos foram incluídos na Exposição de Ilustradores da Bolonha Children's Book Fair de 1998. Em 2002 suas ilustrações do livro Por quê?, publicado no Brasil pela Editora Biruta, foram expostas no Salão A Trip Around The World, organizado pelo Instituto de Arte de Chicago.


Lila Prap foi indicada, em 2006, para o Prêmio Hans Christian Andersen e, em 2007, para a Prêmio Astrid Lindgreen. Além de Conversa de bicho e Por que?, a Editora Biruta já lançou da autora os livros Eu e meu pai e 1001 histórias.


*

um lançamento

Livro de imagens conta a história de Tom e o seu amigo pássaro



Tom e o Pássaro

Patrick Lenz

Ilustrado pelo autor

32 p. / 23,5 x 31,5 cm /


O livro Tom e o Pássaro repercutiu na imprensa da Suíça entre os críticos de literatura infantil e de livros de imagens:



"As imagens do jovem Tom e de seu amigo pássaro exercem sobre o leitor uma atração quase mágica. É uma forma sensível de trabalhar sobre o mundo emocional da criança. (Neue Luzerner Zeitung)

"A estreita relação de uma criança e um animal é um tema para o qual não há palavras. Crianças e adultos reconstituem e enriquecem a trama por meio de sequência de ilustrações em que tanto a perspectiva, quanto o espaço e o tempo o oferecem muitas possibilidades de interpretação." (Literatura & Media Association of GEW, EKZ- serviço de biblioteca, Bücherbär).

O AUTOR
Patrick Lenz nasceu em 1965 na Suiça. Graduou-se em Artes Gráficas e Educação Artística. É ilustrador, design, atua em produções para a televisão e para internet.


*

um lançamento

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Laerte lança HQ infantil



Carol

Laerte

32 p. / 20 X 26 cm /



A Editora Noovha América lança em parceria com o selo Sete Luas, no próximo dia 24 de outubro, domingo, às 16h00, na Livraria da Vila, Carol, novo livro com histórias em quadrinhos dedicadas ao público infantil, do Laerte. O livro conta muitas aventuras da menina Carol, uma personagem criada pelo cartunista. A Livraria da Vila fica na rua Fradique Coutinho, 915, na Vila Madalena em São Paulo, telefone (11) 3814.5811.


A personagem Carol está sempre aprontando alguma com o Gabriel e a sua turma de amigos. A primeira história do livro se chama O Grito!!! A Carol está no banheiro, sentada na privada e tem um lápis preso na orelha. Olha para o papel higiênico e começa a puxar o papel e a desenhar nele. Vai puxando e desenhando, puxando e desenhando até que o papel acaba. Olha para o rolo vazio, vira para a porta e grita - Mãe! Acabou o papel!!!

Tem outra história no livro que se chama Mães! A Carol está saindo de casa correndo para brincar na rua e sua mãe grita: - Carol! Onde você pensa que vai?!! - Você não vive dizendo para eu brincar lá fora, não? - Mas não pelada desse jeito. E a mãe vai vestindo a Carol com blusa, cachecol, gorro, bota... - Agora você pode ir... - Desistiu? Mas a Carol já tinha escapado pelo meio daquele monte de roupas e saiu correndo de shorts e camiseta para brincar na rua.


"Comecei a desenhar uma página para a revista ZÁ! em 1997, a que chamei de "O GRITO". Consistia numa série de tiras, com personagens infantis. A Carol apareceu numa dessas tiras e achei que era uma garota encantadora. Tive vontade de fazer mais histórias com ela. Acabei ocupando toda a página com uma aventura só da Carol e de seus amigos. A revista ZÁ! não existe mais" conta o Laerte sobre a criação da Carol. Sobre criar para o público infantil, Laerte diz: O modo de inventar é igual (para o público adulto), porque estou criando, de fato, para mim mesmo. No entanto, tenho que levar em conta o que é de cada idade - não faz sentido fazer para crianças uma narrativa que se baseia na experiência de um adulto. Já o vice-versa pode funcionar."


O AUTOR
Laerte Coutinho nasceu em 10 de junho de 1951. Entrou na Universidade de São Paulo em 1969, para cursar a Escola de Comunicações Culturais, mais tarde Comunicações e Artes. Fez música, jornalismo, mas não terminou nenhum dos cursos. Começou a publicar no jornal do Centro Acadêmico e em 1972 fundou, com outros, a revista Balão, de quadrinhos. Em 1975 fundou, também com amigos a Editora Oboré, para atender as necessidades na área de comunicação dos sindicatos de trabalhadores. Colaborou com revistas e jornais, como Veja, Isto é, Folha de São Paulo, O Estado de S Paulo, O Pasquim e muitos outros. Fez histórias em quadrinhos nas revistas Chiclete com Banana e Circo, onde apareceram pela primeira vez os Piratas do Tietê. Já fez textos para TV e desenha para o jornal Folha de S. Paulo e também para o suplemento infantil do jornal, a Folhinha.

UM LANÇAMENTO



***

sábado, 16 de outubro de 2010

Adolescentes: Quem Ama, Educa!



Adolescentes: Quem Ama, Educa!
de Içami Tiba


Dr. Içami Tiba fala sobre os desafios de educar na nova versão de Adolescentes: Quem Ama, Educa

Atualizada e ampliada, a versão discute as dificuldades de educar filhos em uma sociedade que tenta aprender a lidar com a força das mídias sociais, com a falta de tempo e com as questões inerentes à adolescência

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem. A nova versão do best-seller - cuja primeira publicação acaba de completar cinco anos com mais de 500 mil exemplares vendidos, pela Integrare Editora - chega às livrarias de todo o País totalmente atualizada e ampliada. A obra apresenta aos pais e educadores meios para lidarem com seus filhos e alunos, sugestões para formar cidadãos éticos e responsáveis e propõe caminhos para interagir melhor com a Geração Y - a nova geração de adolescentes que começa a ingressar no mercado de trabalho. O autor sugere ainda como administrar conflitos considerados naturais durante esta fase. O importante, segundo o especialista, é evitar que eles se transformem em confrontos, que são justamente a imposição de uma ideia sobre a outra.

Nesta nova edição, dr. Tiba explica que a necessidade de atualizar o livro surgiu a partir do processo da mudança evolutiva da sociedade globalizada: “nesta atualização eu deposito esperanças de que os mais belos, mesmo que ferrenhos conflitos, sejam resolvidos; as dúvidas e diferenças esclarecidas, os conhecimentos sejam multiplicados - para que todas as gerações possam voar juntas.” O autor insiste nos objetivos de fazer do filho um cidadão ético e feliz para que os pais se tornem materialmente desnecessários, porém afetivamente importantes.

Adolescentes globalizados

“Adolescentes: Quem Ama, Educa!” trata diretamente da grande tarefa e responsabilidade de pais e educadores ao lidar com os adolescentes de hoje, muito informatizados, globalizados, integrados às mídias sociais e mais independentes do que os do passado. O médico psiquiatra afirma que hoje a fase da adolescência chega cada vez mais cedo – exemplo disso é o das crianças que se comportam e consomem produtos para adolescentes (a geração tween) e acaba mais tarde, com filhos formados que não se sustentam sozinhos (geração carona). “É preciso lidar com essa nova realidade e minimizar prejuízos para pais, filhos e educadores” – comenta dr. Tiba.

Dividido em quatro partes, o livro discute temas mais do que atuais como a visão da adolescência hoje. Expõe questões interessantes como o sexo e a gravidez na adolescência, o uso de drogas, as relações entre pais e filhos, entre estudo e trabalho - questões ligadas à educação financeira, à falta de tempo dos pais e ao Ciberbullying também estão em debate na obra.

Por fim, aponta as visíveis diferenças entre as diversas gerações, amplamente discutidas no capítulo “Avós analógicos, pais analógicos-digitais e filhos digitais”. O educador oferece uma radiografia precisa das gerações “X”, “Y” e “M”. Embora considere que existam diferenças entre as gerações, dr. Tiba pondera que uma geração é a base da outra, quer genética ou memeticamente (de acordo com o psiquiatra, “memes são unidades de herança cultural”). Através de lúcida análise, dr. Içami Tiba diz aos pais, à família e aos educadores em geral que só uma firme educação pode dar bons frutos.

Segundo o autor, mais do que classificar as gerações por meio de datas de nascimento como é feito, é preciso estar atento às suas características, pois são elas que determinam as mudanças. De acordo com dr. Içami Tiba, “atualmente, há muitos ambientes onde convivem 5 gerações: da Belle Époque (nascidos entre 1920 e 1940), os Baby Boomers (nascidos entre 1945 e 1960), geração X (entre 1960 e 1980), Y (de 1980 a 1999) e M (de 2000 até hoje), a mais recente. O especialista comenta que é preciso mudar a forma de encarar os acontecimentos: “Não se trata mais de uma questão de certo ou errado, mas sim de diferenças. Não é uma questão de confronto, mas de conflitos de interesses a serem resolvidos”. Para dr. Tiba quanto mais as diferenças forem trocadas, absorvidas, assimiladas e praticadas, mais ricas tornar-se-ão as pessoas: “A sociedade melhorará sua qualidade de vida como um todo e a grande beneficiária será a humanidade”, completa.





o Autor:

Sobre o autor

Içami Tiba é psiquiatra pelo Hospital das Clínicas da FMUSP e já realizou mais de 76 mil atendimentos psicoterápicos a adolescentes e suas famílias em clínica particular. Seus 28 títulos ultrapassam 4 milhões de exemplares vendidos. Proferiu mais de 3.300 palestras, no Brasil e no exterior, para empresas nacionais e multinacionais, escolas, associações e instituições. Entre seus títulos publicados pela Integrare Editora estão: Adolescentes: Quem ama, Educa!; Disciplina: limite na medida certa – Novos Paradigmas; Ensinar Aprendendo – Novos paradigmas na Educação; Seja Feliz, Meu Filho. Edição ampliada e atualizada; Educação & Amor; Juventude & Drogas: Anjos Caídos; Quem ama, Educa! Formando cidadãos éticos; Família de Alta Performance: Conceitos contemporâneos na educação; Conversas com Içami Tiba; Homem Cobra, Mulher Polvo.




BATE PAPO E AUTOGRAFOS
Livraria Saraiva

Autor: Içami Tiba

Tema: Adolescentes: Quem Ama, Educa!

Data: 19 de Outubro de 2010
Horário: 19 Horas
Local: Shopping Iguatemi Cidade: Campinas, SP


A Integrare Editora, por ter uma proposta de ser uma empresa socialmente responsável e por acreditar que o papel das empresas vai além de pagar impostos e gerar empregos, destina uma porcentagem do faturamento de seus lançamentos para uma entidade não governamental reconhecida, atitude que faz parte de sua política empresarial. Por essa razão, destina um porcentual da venda desta obra para o Instituto Ayrton Senna.

É possível que seu navegador não suporte a exibição desta imagem. Aos leitores desta obra, desejo sabedoria para apreender destas páginas mensagens otimistas que levem à construção de um novo jeito de olhar para a nossa juventude, pronta a deixar sua marca renovadora na história deste imenso país”.

                Viviane Senna

Presidente do Instituto Ayrton Senna.

um lançamento





sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Outubro, um mês repleto de atividades literárias







Rodas de leitura e contações de histórias estão programadas para acontecer durante todo o mês, nas Casas da Leitura da Fundação Cultural de Curitiba.



Entre contações de histórias e rodas de leitura para crianças e adultos, o mês de outubro será marcado por uma série de atividades literárias nas Casas da Leitura da Fundação Cultural de Curitiba. A programação gratuita acontece praticamente todos os dias, em vários horários.

A programação nas 13 Casas da Leitura e na Biblioteca Casa Kozak começou em agosto e se estende até dezembro, com aproximadamente 600 sessões de contações de histórias e rodas de leitura. Os professores, pedagogos e atores, que orientam essas atividades, foram contratados por meio de editais do Fundo Municipal da Cultura. As contações também são feitas por funcionários da Fundação Cultural de Curitiba que têm longa trajetória em ações literárias voltadas ao público infantil.

Os bons resultados das contações, no sentido de criar o vínculo da criança com a literatura, são confirmados pelos educadores. Formado em artes cênicas, Vinícius Mazzon ingressou nesse programa da Fundação Cultural há dois anos. Sua proposta é estabelecer uma ponte entre a literatura escrita e a oral, a partir de contos populares. No seu repertório estão histórias como “A quase morte de Zé Malandro”, numa versão recontada por Ricardo Azevedo, do livro “Contos de Enganar a Morte”, e “O padre, o caboclo e o estudante”, resgatada pelo folclorista Câmara Cascudo.

“Ouvir histórias desperta o interesse pelos livros. As crianças deixam de ver o livro como algo genérico e passam a vê-lo como algo particular. Durante as contações, elas vivem uma experiência de afetividade, proximidade, um momento de interação e de apreciação estética”, diz Vinícius.

A pedagoga Michele Peixoto Ferreira baseia-se na sua própria experiência de ouvir histórias na infância para mostrar a importância de programas como esse. “Hoje percebo como isso influenciou o meu apreço pela leitura”, afirma. De acordo com a pedagoga, a contação de histórias, feita num ambiente como o das Casas da Leitura, alimenta o vínculo afetivo da criança com o livro. “É diferente do ambiente da escola, onde o livro é tratado como um instrumento educativo, tornando-se obrigatório e se distanciando da noção de lúdico”, explica.

O trabalho de incentivo à leitura também atende a faixa etária juvenil. Nas rodas de leitura, os mediadores propõem a leitura de textos e estabelecem um diálogo com os participantes. Formada em Artes Cênicas e graduanda do Curso de Letras da Universidade Federal do Paraná, Geisa Mueller leva para as rodas de leitura textos que motivem a troca de experiência entre os jovens. Na bibliografia utilizada estão contos de Clarice Lispector, Dalton Trevisan, Machado de Assis e poemas de Carlos Drummond de Andrade.

“Faço uma seleção de textos que privilegiam a metamorfose interior e exterior por que os jovens passam, buscando pontos de convergência, relacionando a obra com o que estão vivendo”, diz. Geisa cita como exemplo o conto “O primeiro beijo”, de Clarice Lispector, que fala de sentimentos e sensações experimentadas pelos adolescentes. Para Geisa Mueller, as rodas de leitura são uma oportunidade de trabalhar a literatura como algo vivo, que permite estimular o raciocínio próprio em confronto com uma obra literária. “É uma experiência muito rica”, garante Geisa.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Química na cabeça 2


Química na cabeça 2:
Mais experimentos espetaculares para fazer em casa ou na escola
Alfredo Luis de Mateus

Um livro pouco usual e instigante, as experências quimicas com novo enfoque, indicado para professores, pais e curiosos em geral. Fartamente ilustrado. (E.C)

Apoio: Financiadora de estudos e projetos - FINEP;
Ponto Ciência
119 p.

Química na cabeça 2 reúne mais experimentos criativos que transformam materiais comuns encontrados em casa em divertidas explorações. Aprenda a fazer uma garrafa de PET personalizada, crie imagens com o calor ou com a luz, escreva com elétrons, descubra que os plásticos têm memória, desenvolva uma tinta magnética e muito mais. Combinando um pouco de arte com um toque de “faça você mesmo”, cada experimento é apresentado com instruções passo a passo e fotos. A ciência por trás de cada fenômeno é introduzida em uma linguagem acessível e vai agradar pais e professores que queiram iniciar jovens no prazer das investigações científicas caseiras e escolares.

LANÇAMENTO DA

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Ziraldo e a nossa Turma


NOSSAS HOMENAGENS A ESTE QUE SOUBE SE FAZER RESPEITAR NO HUMOR e NO QUADRINHO. E MAIS QUE ISSO, UM VERDADEIRO DEFENSOR DA LITERATURA BRASILEIRA - não Burra!
Principalmente a infanto-juvenil !
(E.C.)


Ziraldo Alves (nasceu em Caratinga, 24 de outubro de 1932, MG) é um cartunista, chargista, pintor, dramaturgo, escritor, cronista, desenhista e jornalista brasileiro. É o criador de personagens famosos, como o Menino Maluquinho, e, atualmente, um dos mais conhecidos e aclamados escritores do Brasil.

Ziraldo Alves Pinto passou toda a infância em Caratinga. É irmão do também desenhista, cartunista, jornalista e escritor Zélio Alves Pinto e também de Ziralzi Alves Pinto, seu grande amigo. Estudou dois anos no Rio de Janeiro e voltou a Caratinga, tendo concluído o módulo científico (atual ensino médio). Formou-se em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1957. Seu talento no desenho já se manifestava desde essa época, tendo publicado um desenho no jornal Folha de Minas com apenas seis anos de idade.

Começou a trabalhar no Jornal Folha de Minas, de Belo Horizonte, em 1954, com uma coluna dedicada ao humor. Ganhou notoriedade nacional ao se estabelecer na revista O Cruzeiro em 1957 e posteriormente no Jornal do Brasil, em 1963. Seus personagens (entre eles Jeremias, o Bom; a Supermãe e o Mirinho) conquistaram os leitores.

Em 1960, lançou a primeira revista em quadrinhos brasileira feita por um só autor, Turma do Pererê, que também foi a primeira história em quadrinhos a cores totalmente produzida no Brasil. Embora tenha alcançado uma das maiores tiragens da época, Turma do Pererê foi cancelada em 1964, logo após o início do regime militar no Brasil. Nos anos 70, a Editora Abril relançou a revista, desta vez, porém, sem o sucesso inicial.
Ziraldo em 2003

Em 1969, Ziraldo recebeu o "Nobel" Internacional de Humor no 32º Salão Internacional de Caricaturas de Bruxelas e também o prêmio Merghantealler, principal premiação da imprensa livre da América Latina.

Foi fundador e posteriormente diretor do periódico O Pasquim, tablóide de oposição ao regime militar, uma das prováveis razões de sua prisão, ocorrida um dia após a promulgação do AI-5.

Em 1980, lançou o livro "O Menino Maluquinho", seu maior sucesso editorial, o qual foi mais tarde adaptado na televisão e no cinema.

Incansável, Ziraldo ainda hoje colabora em diversas publicações, e está sempre envolvido em novas iniciativas. Uma das mais recentes foi a "Revista Bundas", uma publicação de humor sobre o cotidiano que faz uma brincadeira com a revista "Caras", esta, voltada para o dia-a-dia de festas e ostentação da elite brasileira. Ziraldo foi também o fundador da revista "A Palavra" em 1999.

Ilustrações de Ziraldo já figuraram em publicações internacionais como as revistas Private Eye da Inglaterra, Plexus da França e Mad, dos Estados Unidos.


A Turma do Pererê -
365 dias na Mata do Fundã
o
Ziraldo Alves Pinto



Páginas: 112
Formato: 19,0 x 27,5 cm

A Turma do Pererê surgiu na década de 1960 e foi a primeira revista em quadrinhos feita por um só autor com personagens brasileiros. Inspirada nos índios, animais e personagens das lendas e do folclore brasileiro, esta criação do cartunista e escritor Ziraldo foi escolhida em 2006, no Salão Internacional de Banda Desenhada de Portugal, como uma das 100 melhores histórias em quadrinhos do século XX.







A Turma do Pererê -
As manias do Tininim
Ziraldo Alves Pinto


Páginas: 112
Formato: 19,0 x 27,5 cm

Este livro traz as melhores histórias em quadrinhos do valente e generoso índio da tribo Parakatoka, melhor amigo do Pererê, que é craque no arco-e-flecha, campeão de natação em rio de piranha, mas tem mania de ter manias. Entre uma aventura e outra é possível saber como o esperto Tininim conseguiu cada um dos dentes de jacaré do seu colar.




A Turma do Pererê
- Coisas do coração
de Ziraldo Alves Pinto


Páginas: 112
Formato: 19,0 x 27,5 cm

Ver o luar sobre a Mata do Fundão é tão lindo que é difícil não se apaixonar. Coisas do coração de Ziraldo apresenta as histórias em quadrinhos mais românticas e divertidas que aconteceram na Mata do Fundão e os criativos e, às vezes indecifráveis, bilhetes e cartinhas de amor, que os apaixonados da Turma andam trocando entre si.






UM LANÇAMENTO







quarta-feira, 6 de outubro de 2010

COMO NAMORAR UM VAMPIRO



COMO NAMORAR UM VAMPIRO
de Sophie Collins,

Número de Páginas: 130

- Você já se cansou de ver os garotos da escola babando em cima da princesinha da balada?

- Sua vida amorosa é animada como um túmulo?

Então pense bem... o amor entre mortais e vampiros está na moda... Que tal namorar um deles?! O vampiro é inteligente, esperto e sexy, e está à espera de descobrir alguém um pouquinho diferente. Mas você teve sorte - este livro está cheio de testes, dicas e conselhos garantidos para mostrar a ele o que você tem de tão especial. Você vai fazer o sangue dele (aquele sanguinho gelado...) correr mais rápido nas veias!

- Descubra se o garoto que está tirando o seu sono é um vampiro de verdade ou apenas um imitador barato.

- Você também vai ter ótimas ideias para programas que não incluem tomar milk-shake de sangue tipo O.

- E saber como enxengar o coração de um cara que, quando se olha no espelho... não vê nada!

Você também vai ter um espaço reservado para escrever sobre seus encontros e sentimentos e ainda conselhos de moda e beleza que vão fazer você fugir do óbvio. Este é o único guia indispensável para descobrir quem é vampiro de verdade, e como lhe dar o golpe fatal.

* **

UM LANÇAMENTO





Meu Filhote Dragão



Meu Filhote Dragão
de M. P. Robertson

24x27,5
32 páginas












O LIVRO
Jorge descobre um ovo um tanto grande embaixo da galinha favorita de sua mãe e logo se vê cuidando de um bebê dragão. O garoto leva seu trabalho de pai muito a sério, dando aulas para o animalzinho de Como Afligir uma Donzela e Como Enganar um Cavaleiro, preparando o dragão para viver melhor. Mas o filhote começa a sentir falta de sua família, e um dia ele desaparece...

Uma fantástica história de aventura e descoberta que vale a pena acompanhar.

Já imaginou esse animal tão grande dentro do seu quarto?

Será que é fácil cuidar de um dragão?

Vamos descobrir?


O AUTOR
Estudou Design Gráfico na Universidade de Kingston. Desde 1988 ele trabalha como ilustrador especializado em livros infantis. Entre outros títulos, ele publicou: Grizelda Frizzle, em parceria com Brian Patten, The Bed and Breakfast House, com Tony Barton, A Very Smelly History, com Mary Dobson e The Thwarting of Baron Bolligrew, com Robert Bolt.

M. P. Robertson mora em Wiltshire com sua companheira e sócia, a ilustradora Sophy Williams e seus dois filhos pequenos.



Estudou Design Gráfico na Universidade de Kingston. Desde 1988 ele trabalha como ilustrador especializado em livros infantis. Entre outros títulos, ele publicou: Grizelda Frizzle, em parceria com Brian Patten, The Bed and Breakfast House, com Tony Barton, A Very Smelly History, com Mary Dobson e The Thwarting of Baron Bolligrew, com Robert Bolt.

M. P. Robertson mora em Wiltshire com sua companheira e sócia, a ilustradora Sophy Williams e seus dois filhos pequenos.

*

um lançamento