terça-feira, 25 de maio de 2010

Pela primeira vez no Ceará será apresentada uma sessão de teatro infantil com tradução audiovisual




Uma sessão especial gratuita de teatro infantil com serviço de tradução audiovisual (TAV) será encenada para 100 crianças deficientes audiovisuais, na próxima sexta-feira, 28, às 10h30, no cineteatro do Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - 2º andar - Centro - fone: (85) 3464.3108).

Segundo a coordenadora de Programação Infantil e Artes Cênicas do CCBNB, Viviane Queiroz, trata-se de "uma iniciativa pioneira, haja vista que é a primeira vez que se apresenta uma sessão com audiodescrição (TAV) para teatro infantil no Ceará".

O espetáculo será a peça "A Vaca Lelé" - projeto de José Alves Netto apresentado pelo Grupo Bandeira das Artes, com texto de Ronaldo Ciambroni e direção de Ana Cristina Viana - que será assistida por crianças com deficiência visual do Instituto Hélio Góes, pertencente à Sociedade de Assistência aos Cegos, e da Escola de Ensino Fundamental Instituto de Cegos.


Há cinco anos encantando plateias

Apresentado aos domingos de maio (dias 2, 16 e 23) no CCBNB-Fortaleza, o espetáculo "A Vaca Lelé" está em cartaz há cinco anos, sempre encantando as plateias por onde passa, tendo sido contemplado com o Prêmio Eduardo Campos de Teatro, o Prêmio de Melhor Espetáculo Infantil do Festival de Teatro de Fortaleza e o Prêmio Balaio Destaques do Ano em sete categorias, incluindo Melhor Espetáculo Infantil. Do elenco participam Bruna Alves Leão, Davidson Caldas, Luís Carlos Pedrosa e Solange Teixeira.

O Grupo Bandeira das Artes, que encena "A Vaca Lelé", surgiu a partir da motivação de seus produtores - Bruna Alves Leão e Klístenes Braga - em levar o espetáculo para outras cidades da região Nordeste e investir em novas montagens para o teatro infantil, que tem a grande responsabilidade de iniciar os pequenos espectadores no universo do teatro, contribuindo para a formação de platéias e garantindo às crianças o direito de viverem suas fantasias.



Enredo da peça

No enredo da peça: Matilde, uma vaquinha que vivia fugindo do curral, era cheia de sonhos e curiosidades. Tinha sede de conhecer a vida e seus segredos. Consegue ampliar seus conhecimentos quando se torna amiga do velho espantalho, que tudo sabe e tudo vê. Matilde, a Vaca Lelé, como era chamada, tinha um objetivo: conseguir asas e voar.

Na história, cada personagem que a Matilde conhece é uma lição de vida. Aprende a cantar com a Cigarra, a ser simples e ter personalidade como o Pardal, a não ser incoveniente como a Mosca, a ter ambição vendo a Galinha tão acomodada, a brilhar como os Vagalumes, a ser forte como o Touro. Mas o que Matilde não sabia era que, para ter tanta facilidade, precisaria conhecer o outro lado da vida, o lado ruim das coisas. E Matilde acaba conhecendo o medo.



Audiodescrição e legendagem

O serviço de tradução audiovisual será realizado pelo LEAD, grupo de pesquisa em tradução audiovisual da Universidade Estadual do Ceará (UECE), que atua desde abril de 2008, promovendo acessibilidade audiovisual de deficientes visuais e surdos ao cinema, teatro e museus, entre outros, por meio da audiodescrição, da janela de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) e da legendagem. O grupo é formado por mestrandos em Linguística Aplicada e graduandos em Letras da UECE, coordenados pela professora-doutora Vera Lúcia Santiago Araújo. O roteiro de audiodescrição é de Klístenes Braga e Bruna Alves Leão, e a narração de Klístenes Braga.

No momento, o Centro Cultural Banco do Nordeste está estudando a possibilidade de realizar periodicamente espetáculos com esse serviço de tradução audiovisual. O CCBNB-Fortaleza também desenvolve o programa Ouvir Dizer, cujo objetivo é apresentar leituras dramatizadas de textos de autores da literatura brasileira e universal, de forma a proporcionar ao público momentos de reflexão e fruição estética, incentivando ao aprofundamento de possíveis e posteriores leituras. O programa visa ainda ampliar a audioteca do BNB, com a gravação das leituras dramatizadas, disponibilizando tal acervo sonoro a deficientes visuais e a consulta de outros interessados.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Gustavo Rosa lança livro de imagens sobre o direito de ser diferente




A Editora Noovha América lança hoje ,19 de maio, quarta-feira, das 19:00 às 22:00 horas, na Livraria da Vila da Lorena, o livro Diferentes sim, e daí? Livro de imagens criado a partir de obras de Gustavo Rosa, tendo como tema organizador, as diferenças e como elas estão presentes em nossas vidas, traz uma coleção de 28 obras do consagrado artista plástico. Este lançamento faz parte da coleção de livros "Imagens que falam", da Editora Noovha América, que já publicou A nuvem e a duna, de Christina Oiticica; e O Peralta, de Jefferson Galdino. A Livraria da Vila da Lorena fica na Alameda Lorena, 1731, São Paulo, SP, telefone: (11) 3062-1063.



O livro Diferentes sim, e daí?, do prestigiado artista plástico Gustavo Rosa, nos faz embarcar num mundo onde as pessoas podem ser, pensar e agir de formas diferentes. As imagens selecionadas nos fazem perceber que o diferente é aquele que vê mais longe, o que sente antes de todos e que, principalmente, mantém o passo, mesmo quando todos caminham de outra forma. Isso significa que se marchamos com passos diferentes é porque ouvimos outro tambor. E não há nada de errado nisso! Pelo contrario: o mundo vai ficando cada vez mais alegre e bonito, com novas cores, pois a alma dos diferentes é feita com uma luz além... Ainda bem! Já pensou em como seria chata e monótona a vida num mundo de coisas sempre iguais? Então, não tenha medo de ser diferente. Mas, se mesmo assim alguém quiser te chatear, você já sabe a resposta: Diferentes sim, e daí?

Gustavo Rosa é considerado um dos principais nomes da Arte de sua geração, e seus trabalhos se fundamentam em dois pilares: o amor ao desenho e a versatilidade. Nascido na capital de São Paulo, em 20 de dezembro de 1946, Gustavo Rosa é um autodidata e destaca-se principalmente por apresentar um trabalho limpo, contido e bem definido, que tem um estilo inconfundível. Sua obra agrada a observadores de todas as idades e seu grande segredo está em trabalhar a realidade sempre de maneira lúdica, jamais dramática. Daí o sucesso de uma pintura admirada por pessoas de todas as idades. Gustavo Rosa tem como único compromisso a obrigação autoimposta de criar sempre. Assim, homens, mulheres, crianças, e animais, nas mais diversas situações, surgem com espontaneidade, numa mescla única de lirismo e humor. Neste livro, a mensagem de Gustavo Rosa é sobre a importância de aceitarmos as diferenças e respeitá-las.

UM LANÇAMENTO