segunda-feira, 26 de abril de 2010

Os mistérios de Enola Holmes


Os mistérios de Enola Holmes continuam a intrigar os leitores e o primeiro livro da série, O Caso do Marquês Desaparecido, ganhou muitos elogios da crítica, incluindo algumas que lhe deram quatro estrelas.


O CASO DO MARQUÊS DESAPARECIDO
de NANCY SPRINGER

Páginas: 192

“Eu gostaria muito de saber por que minha mãe me deu o nome de Enola, que, de trás para a frente, lê-se alone, que é a palavra inglesa para solitária (...) – Você vai se sair muito bem sozinha, Enola – dizia-me, quase todos os dias enquanto eu crescia. De fato, essa sempre foi sua ma¬neira de dizer adeus inconscientemente.” Quando Enola Holmes, irmã do grande detetive Sherlock Holmes, descobre que sua mãe desapareceu, ela rapidamente sai a sua procura. Disfarçando-se de viúva, Enola embarca em uma jornada para Londres, sem saber o que poderá acontecer. Ao chegar na cidade ela adota uma série de disfarces, mas acaba se envolvendo no caso de um jovem marquês desaparecido. Em uma época em que as mulheres eram subestimadas, a solitária adolescente inglesa é ameaçada por vilões que procuravam pelo tal nobre, e, além de ter que fugir desses malfeitores, ela precisa também despistar seus espertos irmãos. Em meio a tantos perigos e mistérios, será que Enola conseguirá descobrir as pistas necessárias para encontrar sua mãe?

O CASO DA SENHORITA CANHOTA
de NANCY SPRINGER


Páginas: 208

Os mistérios de Enola Holmes continuam a intrigar os leitores mais uma vez nesta aventura incrível e perigosa. A jovem inglesa permanece solitária, vivendo sozinha na maior, mais sinistra e suja cidade do mundo. Sua mãe ainda é uma incógnita, e para dificultar essa busca, Enola está sendo procurada pelo detetive mais famoso do mundo – seu próprio irmão, Sherlock Holmes. Para que possa continuar livre, ela precisa enganá-lo. Ao encontrar um esconderijo cheio de brilhantes desenhos feito a carvão, ela sente como se fosse uma alma gêmea da garota que fez aquelas obras de arte – mas a garota, a jovem Srta. Cecily desapareceu sem deixar rastros. Desbravando as ruas sombrias onde os assassinos espreitam, Enola deve descobrir como as pistas – uma escada inclinada, um balconista vesgo e alguns panfletos de política – podem levá-la a encontrar a moça canhota. Mas para salvar Srta. Cecily de um poderoso vilão, Enola se arriscará a revelar mais do que ela pode. Será que seu próprio coração solitário a trairá?

A AUTORA
Nancy Springer
é a autora da adorada série Tales of Rowan Hood, estrelando a filha de Robin Hood, assim como das novelas Arthurianas, Am Mordred e I Am Morgan le Fay. Ela recebeu duas vezes o Edgar Award por Melhor Mistério para Jovens e Adultos e foi nomeada para o prestigiado Mythopoeic Fantasy Award. Nancy Springer vive em East Berlin , Pennsylvania.



UM LANÇAMENTO

quarta-feira, 21 de abril de 2010

“As Aventuras do Avião Vermelho”



Milton Gonçalves é escalado para o elenco do longa-metragem de animação gaúcho “As Aventuras do Avião Vermelho” O ator dará vida e voz ao personagem título ao filme, o Avião Vermelho. As gravações ocorrem nos dias 23 e 24 de abril no Rio de Janeiro

O Avião Vermelho, personagem que dá título ao longa-metragem de animação “As Aventuras do Avião Vermelho”, dos diretores gaúchos Frederico Pinto e José Maia, vai ganhar voz nos próximos dias. O ator escalado para essa missão é o veterano Milton Gonçalves, que gravará a voz do personagem nos próximos dias 23 e 24 de abril, no Rio de Janeiro.

Milton Gonçalves tem mais de 50 anos de carreira artística, trabalhando com cinema, televisão e teatro. Sempre respeitado e querido, ganhou muitos prêmios. Ao todo fez mais de cem filmes, com papéis grandes e pequenos, contracenando também com muitos artistas estrangeiros, como Jacqueline Bisset, Raul Julia e outros. O ator faz parte do seleto grupo de 50 pessoas que está na Rede Globo desde o início. Em sua ficha constam novelas como, “Véu de Noiva”, “Um Homem que Deve Morrer”, “Selva de Pedra”, “Carga Pesada”, “A Grande Família”, “Baila Comigo”, “Pecado Capital”, “Irmãos Coragem”, “Anjo de Mim”, e muitos outros trabalhos, entre novelas, mini-séries e Casos Especiais. O ator também é reconhecido pela sua militância no movimento negro.

Também integram o elenco do filme os atores Lázaro Ramos, Fernando Alves Pinto, Wandi Doratiotto, Zezeh Barbosa e Sérgio Lulkin, que gravaram as vozes dos personagens Chocolate, Lunar, Ursinho, Josefina e Pai, respectivamente. O personagem principal do filme, o Fernandinho, foi dublado pelo porto-alegrense Pedro Yan, de oito anos. O Avião, personagem que o Milton Gonçalves interpreta em “As Aventuras do Avião Vermelho” é primeiro um brinquedo, depois um meio de transporte e, mais adiante, um amigo para todas as horas. Salva a pele da turma várias vezes, se valendo de sua experiência.

De acordo com os diretores, a gravação das vozes é uma das etapas mais importantes do processo de animação, pois desempenham um papel criativo fundamental no processo de construção do personagem. “Como gravamos as falas antes, podemos trabalhar a animação dos personagens inspirados na interpretação dos atores, na entonação e até mesmo no gestual que o ator utiliza”, destaca Frederico Pinto.

“As Aventuras do Avião Vermelho” é um filme para o público infantil, baseado no livro de Erico Verissimo, escrito em 1936. O longa é uma produção da Armazém de Imagens e Okna Produções e está previsto para ser lançado em 2011. Para isso, uma equipe técnica trabalha num estúdio de animação montado no bairro Bom Fim, em Porto Alegre. Segundo os diretores, o processo de animação utilizado combina a fluidez e a organicidade dos movimentos da tradicional técnica do desenho animado 2D, produzido em papel, com as possibilidades de movimentação espacial da animação digital 3D. Os cenários e o planejamento dos movimentos de câmera são produzidos digitalmente em 3D, mesma técnica em que o Avião e todas as máquinas do filme serão modeladas e animadas. Para cada plano é produzido uma série de movimentos e imagens, que servem como base para os desenhos produzidos no papel. Posteriormente eles são digitalizados e coloridos em um processo de pintura digital. O 3D é utilizado como uma ferramenta para aperfeiçoar e facilitar o processo de trabalho, mas a aparência final é a do desenho animado 2D.



A largada para este projeto foi dada em 2003, quando foi premiado no Edital do 2º Prêmio Santander Cultural / Prefeitura de Porto Alegre para Desenvolvimento de Projetos de Longa-Metragem. Após, a entrada de importantes patrocinadores – BNDES e Petrobras- garantiu o início da viabilização. Orçado em 3 milhões de reais, o filme pretende completar seu orçamento financeiro com novas captações de recursos, que devem acontecer em 2009 e 2010. Vale destacar ainda que importantes empresas gaúchas já aderiram ao projeto como patrocinadores. São elas: Banrisul Consórcios, Banrisul Corretora, BRDE, Corsan, Eny Calçados, Metasa, Randon, Sulgás e Unifértil.





FICHA TÉCNICA:



Duração: 90 minutos

Cópia final: 35mm



Direção: Frederico Pinto e José Maia

Roteiro: Camila Gonzatto, Emiliano Urbim e Frederico Pinto
Produção: Aletéia Selonk, Camila Gonzatto e Frederico Pinto
Produção Executiva: Aletéia Selonk e Lisiane Cohen

1º Ass. de Direção: Felipe Antoniolli

Assistente de Produção: Itamony Barros
Secretária de Produção: Laura Coelho

Modelador 3D: Luis Monty Pellizzari e Cristiano Lopes

Edição: Giancarlo Zardo
Animatic: Alexandre Linck
Animação: Bruno Fantinelli Seelig, Carlos Mateus, Charles Lima, Diego Amorim, Felippe Steffens, MauMau, Ruben Castillo, Thiago Ribeiro

Sombra: Marcelo Souza
Calque: Guilherme Green
Pintura: Giovana Maia e Geórgia Reck
Direção de Arte: Moa

Cenário e Co-Diretor de Arte: Marco Antonio Lesina Pilar e Jack Kaminski (Jack)
Assistente de Arte: Pedro Fanti

Música: Nico Nicolaiewsky
Montagem: Kiko Ferraz
Projeto Educativo: Monica Hoff

sexta-feira, 16 de abril de 2010

POR QUÊ? POR QUÊ? POR QUÊ? - LANÇAMENTO!




POR QUÊ? POR QUÊ? POR QUÊ?
Texto de Flávia Côrtes

Ilustrações de Sandra Ronca

4 cores . 32 páginas . 21 x 23 cm

1ª edição – 1ª impressão




Vai ter um dia que toda criança vai nascer sabendo que tem pergunta que não adianta fazer pra gente grande. Até lá, enquanto não se cansa de ficar sem receber resposta, teima, espera, sonha com muitos e muitos porquês. E olha que o porquê não é só um; são muitos, tem ainda o por que, o por quê e o porque. Este último parece mais esperto porque é o porquê que responde. Mas, quando a gente olha direito, saca o truque: tem resposta que não responde e esse porque nem sempre diz o porquê. Daí, coitada da criança... fica fazendo pergunta que gente grande já não faz mais, já desistiu de fazer. O livro da Flávia é a fala dessa criança. Que não se enche da vida, mesmo sem saber porquê.

UM LANÇAMENTO

quinta-feira, 1 de abril de 2010

FELIZ PÁSCOA 1


ALICE


Indicação da FNLIJ